Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Senado confiante na aprovação do plano de salvação do sistema financeiro

Os líderes no Senado dos partidos Democrata e Republicano estão confiantes na aprovação do plano de salvação do sistema financeiro, que está a ser discutido esta tarde no Senado. Os responsáveis apelam aos opositores da proposta na Câmara dos Representantes que aprovem o plano.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 01 de Outubro de 2008 às 20:54
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Os líderes no Senado dos partidos Democrata e Republicano estão confiantes na aprovação do plano de salvação do sistema financeiro, que está a ser discutido esta tarde no Senado. Os responsáveis apelam aos opositores da proposta na Câmara dos Representantes que aprovem o plano.

“Há algumas pessoas na Câmara dos Representantes que preferiam que fizéssemos isto de outra forma” afirmou à Bloomberg o senador democrata Harry Reid.

“Tentámos de outras formas. Temos de fazer isto”, adiantou o senador republicano Mitch McConnell, que prevê uma “vitória” e que apela à Câmara dos Representantes que aprove o plano para que se implemente a medida que tem como objectivo salvar o sistema financeiro e tentar evitar que a turbulência afecta mais a economia norte-americana.

O Senado vai votar hoje por volta das 20h, hora de Washington (1h de Lisboa).

Mas a proposta que está hoje a ser discutida tem alterações em relação ao plano chumbado, por 12 votos, pela Câmara dos Representantes.


O plano hoje discutido visa um aumento dos seguros dos depósitos e um alargamento temporal no pacote de benefícios fiscais.

O limite dos seguros dos depósitos sobe de 100 mil para 250 mil dólares, uma proposta temporária dos Republicanos que criticaram o Plano Paulson, considerando que este iria salvar o sistema financeiro à custa dos contribuintes americanos.

A legislação do Plano que será hoje votado no Senado incorpora também um alargamento de dois anos no pacote de benefícios fiscais, que representará para as famílias e empresas norte-americanas o pagamento de menos 149 mil milhões de dólares em impostos.

Ver comentários
Outras Notícias