Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Sonaecom "não é assunto que consiga conciliar os accionistas"

"O facto de não ter acontecido até agora mostra que ainda não houve vontade que aconteça" disse esta manhã ao Jornal de Negócios Rodrigo Costa, CEO da Zon Multimédia, sobre a especulação à volta de uma fusão com a Sonaecom. "Neste momento temos o nosso rumo, o nosso plano estratégico, que está a dar bons resultados" apontou.

Filipe Paiva Cardoso filipecardoso@mediafin.pt 30 de Julho de 2008 às 11:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
“O facto de não ter acontecido até agora mostra que ainda não houve vontade que aconteça” disse esta manhã ao Jornal de Negócios Rodrigo Costa, CEO da Zon Multimédia, sobre a especulação à volta de uma fusão com a Sonaecom. “Neste momento temos o nosso rumo, o nosso plano estratégico, que está a dar bons resultados” apontou.

Ainda sobre o mesmo assunto, Rodrigo Costa salientou que “é impossível dizer se vai ou não acontecer” mas que por agora “não é assunto que consiga conciliar os accionistas das empresas”, sendo que este tópico não “está presente no dia-a-dia” da equipa que lidera a dona da TV Cabo.

Em relação aos resultados semestrais da empresa, cujos lucros subiram 1,2% e o EBITDA 7,1%, o líder da Zon salientou ao Jornal de Negócios que tal ocorreu num cenário de aumento da concorrência e que “o grande evento” do primeiro semestre “foi o lançamento da ‘box’ nova” da TV Cabo.

“A pressão competitiva beneficia o consumidor e põe pressão nos fornecedores para inovar e avançar com ofertas mais interessantes” disse.

O responsável sublinhou ainda o facto de 14% da base total de clientes da Zon ser já de “triple play” – voz, internet e televisão –, contra os 2% no período homólogo.

A dona da TV Cabo apresentou esta madrugada os resultados semestrais, tendo registado um resultado líquido de 41,1 milhões de euros e receitas de 377,3 milhões de euros, um crescimento anual de 7,6%.

Os resultados da operadora não surpreenderam os analistas, que esperavam resultados líquidos ao nível dos apresentados. O BPI salientou o EBITDA como “positivo”, por ter ficado acima da estimativa, enquanto pela negativa destacou a quebra de clientes no serviço básico da TV Cabo no segundo trimestre do ano – caiu 3,6 mil clientes.

Já o Caixa BI diz que os resultados foram em linha com o esperado salientando que “o resultado líquido de 41,1 milhões de euros não gerou surpresas”.

Ver comentários
Outras Notícias