Bolsa Sporting afunda mais de 7% na bolsa

Sporting afunda mais de 7% na bolsa

A crise no clube de Alvalade só hoje chegou ao mercado de capitais, com as acções a afundarem apesar do reduzido número de títulos transaccionados.
Sporting afunda mais de 7% na bolsa
Filipe Farinha 
Nuno Carregueiro 17 de maio de 2018 às 10:55

As acções do Sporting estão a desvalorizar 7,89% para 0,70 euros, reagindo à crise que afectou o clube nos últimos dias e que só esta quinta-feira chegou ao mercado de capitais.

O Sporting vive dias turbulentos desde segunda-feira, mas nas primeiras duas sessões da semana não foram negociadas quaisquer acções e na sessão de ontem foram movimentadas apenas 350 acções ao mesmo preço da véspera.

 

Hoje, na negociação por chamada que ocorreu às 10:30, foram transaccionadas apenas 360 acções, ao preço de 0,70 euros. Dado ser uma cotada de reduzida liquidez, a transacção de acções do Sporting é efectuada duas vezes por dia: uma às 10:30 e outra às 15:30, apesar das ordens estarem sempre a entrar no sistema. Neste regime de negociação por chamada estão cotadas com pouca liquidez ou pouca dispersão em bolsa. 

 

Apesar da queda de hoje, as acções do Sporting estão em alta no acumulado do ano, com um saldo positivo de 13,43%. A SAD está avaliada em bolsa em 50,9 milhões de euros.

 

A SAD do Sporting informou ontem, em comunicado divulgado na CMVM, que "não há qualquer suspensão ou rescisão do vínculo laboral de qualquer dos elementos da equipa técnica do plantel principal de futebol profissional". Por outro lado, acrescenta, "não foi manifestada qualquer intenção de rescisão dos contratos de trabalho por parte de qualquer jogador da equipa principal de futebol profissional".

O comunicado do Sporting surge depois da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter pedido esta quarta-feira, 16 de Maio, esclarecimentos à SAD sobre o impacto dos acontecimentos recentes no valor dos seus activos.

 

O regulador do mercado de capitais quis saber se o valor dos activos do Sporting será penalizado pelos casos que estão a afectar o clube. Uma das maiores questões está relacionada com a violência a que ontem se assistiu na Academia de Alcochete, com jogadores e membros da equipa técnica a serem agredidos. Após estes acontecimentos foi noticiado que os jogadores e equipa técnica do Sporting ponderam avançar com uma rescisão por justa causa.

 
Também ontem a direcção do Sporting anunciou que formalizou um pedido  junto de Jaime Marta Soares para a realização de uma assembleia geral extraordinária (AGE), a ser marcada "o mais breve possível".

Têm sido vários os pedidos de demisssão do presidente do Sporting. O banqueiro e sócio do Sporting José Maria Ricciardi defendeu ser "absolutamente fundamental" que a administração da SAD e a direcção do Sporting "se demitam o mais rapidamente possível" para ultrapassar a actual situação. 

Esta manhã, o presidente do Sporting anunciou numa nota pessoal enviada à Lusa, que vai mover um processo contra o Presidente da Assembleia da República, comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado", após os actos de violência em Alcochete. E recusou demitir-se. "Neste momento, sinto-me com a mesma capacidade, força, prazer e honra em servir o clube que amo, não vendo qualquer motivo enquanto sportinguista para me afastar de um trabalho e de um rumo que está a ser seguido com sucesso nestes cinco anos", afirmou. 




pub