Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Verão trava negócios de dívida pública em Agosto

O período de férias determinou uma forte quebra do volume negociado em Agosto. O valor negociado em ordens de dívida pública e privada liderou as descidas, ao cair 40% face a Julho.

Reuters
Patrícia Abreu pabreu@negocios.pt 25 de Setembro de 2015 às 18:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O período de férias travou os negócios realizados no mercado português no mês de Agosto. Com uma grande parte dos investidores ausentes, as ordens sobre títulos de dívida, pública e privada, registaram a quebra mais acentuada. Caíram 40% face ao mês anterior.

O valor das ordens sobre instrumentos financeiros recebidas pelos intermediários nacionais baixou para 4.794,4 milhões de euros, em Agosto, o que representa uma quebra de 35,6% face ao mês anterior, segundo os dados divulgados pela CMVM. No acumulado dos oito meses, o indicador baixou 44%, em comparação com o período homólogo.

Mas foi na dívida que se sentiu mais a fraca liquidez, característica deste período do ano. O valor negociado em títulos de dívida pública e privada caiu 40%, enquanto nas acções, o montante das ordens recuou 16%.

No segmento de derivados, o valor das ordens caiu 11,9%, para 9.350,4 milhões de euros. "À negociação em CFD's coube a maior quota no mercado de derivados em agosto (49,7% do total), ainda que o montante tenha recuado 17% para 4.647,1 milhões de euros, enquanto que o valor transaccionado sobre futuros desceu 3% para 4.546,5 milhões de euros", adianta o mesmo documento. 

As ordens dos investidores nacionais caíram 41,2% para 2.739,1 milhões de euros, enquanto os negócios feitos por estrangeiros recuou menos. Desceu 26% para 2.055,3 milhões de euros.

"Estados Unidos, Alemanha e França foram os três principais destinos das ordens executadas sobre acções fora de Portugal, enquanto Reino Unido, Alemanha e França foram o principal destino das ordens sobre títulos de dívida", revela a CMVM.

A negociação nos mercados financeiros, em Agosto, ficou marcada por uma elevada volatilidade, devido à crise na China. A ausência de investidores devido às férias contribuiu para acentuar os movimentos de queda.

Ver comentários
Saber mais recepção de ordens CMVM acção dívida obrigações Lisboa Portugal intermediários financeiros liquidez
Outras Notícias