Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Violência na Líbia leva a queda das bolsas asiáticas

Empresas do continente asiático com projectos no Médio Oriente e no norte de África perderam valor na sessão de hoje.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 22 de Fevereiro de 2011 às 07:56
A violência na Líbia e a instabilidade na região do Médio Oriente foram as grandes responsáveis pelo mau desempenho das bolsas da Ásia, num dia em que o Japão perdeu mais de 1,5% com a revisão em baixa do seu “rating” por parte da Moody’s.

Os investidores temem que o crescimento económico mundial seja penalizado devido à escalada de violência na Líbia, com a repressão feita sobre os manifestantes que se juntam contra o líder Kadhafi. A ameaça de uma guerra civil por parte do filho do presidente intensificou ainda mais os receios.

“O grande risco para o mundo são os preços do petróleo. Se os preços atingirem os 120 dólares por barril nos próximos três meses, isso é definitivamente um imposto sobre os consumidores norte-americanos. Isso pode abrandar a recuperação que temos estado a ver no último ano”, refere Arjuna Mahendran, da HSBC, em relação ao petróleo que ontem atingiu máximos de mais de dois anos.

O MSCI Ásia Pacífico perdeu 1,8% para 137,16 pontos, um deslize que não marcava desde 20 de Janeiro, liderado pelas quedas do Japão. O Nikkei depreciou 1,78% para 10.664,7 pontos com a Moody’s a alterar o “rating” dos nipónicos para negativo, com as preocupações de que a dívida do país não seja liquidada. O Topix registou a maior quebra desde Setembro, ao perder 1,84% para 956,7 pontos. Por sua vez, a China retraiu 2,6% para 2.855,52 pontos.

As companhias asiáticas que mais decaíram também foram penalizadas pela Líbia. Com 38% das suas vendas a partir do Médio Oriente, a sul coreana Hynduai Engineering & Construction afundou 8,4% para 73.400 won. Já a Samsung, que fechou contratos no Bahrain e na Arábia Saudita este mês, caiu 6,1% para 174.000 won.

Ver comentários
Saber mais Bolsas asiáticas MSCI Ásia-Pacífico China Líbia Kaddafi
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio