Bolsa Wall Street recua ligeiramente com perdas das tecnológicas

Wall Street recua ligeiramente com perdas das tecnológicas

As principais praças americanas começaram o dia em baixa ligeira, penalizadas pelas quedas em especial das principais tecnológicas. Isto depois de ontem o Dow Jones ter atingido um novo máximo e de ter fechado acima dos 26 mil pontos pela primeira vez.
Wall Street recua ligeiramente com perdas das tecnológicas
reuters
David Santiago 18 de janeiro de 2018 às 14:34

O índiceDowJones abriu a sessão desta quinta-feira, 18 de Janeiro, a recuar ténues 0,01% para 26.112,86 pontos, seguido peloNasdaqComposite a deslizar 0,09% para 7.292,055 pontos. Já o índice Standard & Poor's 500 abriu a sessão a cair 0,07% para 2.800,62 pontos. 

 

A tendência de quedas verificada neste início de dia segue-se às valorizações registadas ontem em Wall Street. O que possibilitou ao Dow Jones atingir um novo máximo de sempre e fechar a negociação acima dos 26 mil pontos pela primeira vez.

 

Isto depois de este índice industrial já ter fechado 2017 com a maior valorização anual da história, beneficiando do optimismo dos investidores relativamente ao plano de obras públicas da administração Trump.

 

A penalizar o sentimento em Wall Street estão as quedas registadas por algumas das maiores tecnológicas americanas. 

O Facebook cai 0,11% para 177,35 dólares, a Microsoft cede 0,10% para 90,05 dólares e a Alphabet resvala 0,22% para 1.136,58 dólares. Já a Apple cai ligeiros 0,02% para 179,06 dólares depois de a fabricante do iPhone ter ontem anunciado que vai suportar um gasto de 31 mil milhões de euros para repatriar os lucros conseguidos fora dos EUA.

 

Também a pressionar está a Alcoa que perde 6,49% para 53,29 dólares, depois de a produtora de alumínio ter reportado lucros que ficaram aquém das estimativas dos analistas. 

Em sentido inverso, o Morgan Stanley soma 0,76% para 55,77 dólares após ter encerrado o ano de 2017 com lucros de 6,1 mil milhões de dólares, perto de mais 3% do que no período homólogo, superando assim as perspectivas dos analistas em relação ao quarto trimestre do ano passado.

Já esta quinta-feira foram divulgados novos dados que mostram que o número de novos pedidos de subsídio de desemprego caiu na semana passada para o valor mais baixo em 45 anos.

 

Outro dado positivo conhecido esta manhã, prende-se com o crescimento económico da China, que acelerou pela primeira vez em sete anos.

 

(Notícia actualizada às 14:45)




pub