A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal tem a terceira melhor rendibilidade da Europa ocidental

Região tem o 12º melhor desempenho mundial desde o início do ano.

Patrícia Silva Dias patriciadias@negocios.pt 08 de Março de 2007 às 13:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O nervosismo vivido nos mercados internacionais na última semana estendeu-se à bolsa portuguesa. Embora a correcção tenha provocado algumas "mossas" (ver texto ao lado), não foi suficiente para retirar Portugal do mapa das regiões que este ano tem dado maior rentabilidade aos fundos de investimento comercializados no País.

Entre os mais de 2.300 fundos disponíveis aos investidores nacionais e que abarcam 45 regiões e países do mundo inteiro, os 92 que se concentram no mercado nacional estão este ano a dar frutos. De acordo com dados da Standard&Poor’s, Portugal ocupa a 12ª posição do "ranking" das melhores regiões em 2007. Um desempenho que resulta da forte valorização da bolsa nacional nos dois primeiros meses do ano e que teve como principais protagonistas as empresas envolvidas na OPA da Portugal Telecom.

As estatísticas da agência norte-americana indicam que os fundos que investem no mercado português acumulam, em 2007, uma rentabilidade de 4,99%. Valor que, além de ser a 12ª melhor "performance" do mundo, coloca Portugal no topo dos mercados desenvolvidos. Com um desempenho superior entre os mercados maduros estão apenas a Alemanha e Espanha. Os seis fundos que investem no mercado germânico, disponíveis em Portugal, registam um retorno de 7,39% em 2007, segundo a Standard&Poor’s. Os oito fundos Espanha apresentam uma rentabilidade média de 5,19%. O ano está a ser liderado pela Malásia, com um ganho superior a 18%.

Mas não é só este ano que o mercado português está no "top" mundial. Tanto no curto, como no longo prazo, Portugal encontra-se bem posicionado. Recuando aos últimos 12 meses, surge da 14ª posição com uma rentabilidade de 17,5%, sendo o quarto país mais forte entre os desenvolvidos. Já no espaço de um mês, o mercado nacional regista o nono retorno mais elevado em todo o mundo (3,68%).

Outras Notícias