Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo valoriza com melhoria das perspectivas para a economia

O petróleo está a valorizar animado por uma melhoria das perspectivas de consumo da matéria-prima nos países que são os maiores consumidores de petróleo do mundo.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 10 de Setembro de 2010 às 09:09
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A matéria-prima está a compensar as perdas registadas ontem, apesar dos números animadores do desemprego nos EUA, depois de ter sido divulgado um crescimento das importações chinesas de crude e de o Japão ter revisto em alta os números do crescimento económico no segundo trimestre.

O “West Texas Intermediate” (crude) progride 1,93% para 75,68 dólares por barril, ao negociar antes da abertura do mercado e compensa parte da descida semanal que vinha acumulando, depois de ontem ter encerrado em baixa, depois de terem sido divulgados dados do desemprego animadores. Já o crude avança 0,30% ara 77,70 dólares, ao negociar em Londres.

“Os números do comércio internacional foram positivos e mostram uma economia onde o crescimento da produção [industrial] é relativamente forte”, disse o economista para a energia e minerais do National Austrália Bank, Ben Westmore, à Bloomberg. “Existe um sentimento positivo no mercado e como resultado o petróleo está a beneficiar”.

As reservas de petróleo decresceram em 1,85 milhões de barris para 359,8 milhões na última semana, segundo reportou o Departamento de Energia citado pela Bloomberg, que refere que era esperado um crescimento das reservas de um milhões de barris.

As importações de petróleo pela China, segundo maior consumidor da matéria-prima do mundo, cresceram de 18,8 milhões de toneladas em Julho para 20,65 milhões de toneladas no mês passado, segundo os dados preliminares do divulgados hoje pela administração geral das alfandegas, em Pequim.

O número de primeiros pedidos de subsídio de desemprego, divulgados ontem nos EUA, caiu em 27 mil pedidos para 451 mil na semana passada, enquanto os economistas inquiridos pela Bloomberg, apontavam para uma queda para 470 mil pedidos.

Ver comentários
Outras Notícias