Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Preço do arroz deve disparar na bolsa

Más condições atmosféricas na China e na Índia ameaçam reduzir as colheitas.

Preço do arroz deve disparar na bolsa
Carla Pedro cpedro@negocios.pt 30 de Julho de 2010 às 12:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A China, que é a maior produtora de arroz, poderá registar uma queda de 10% na colheitas deste ano devido às chuvas torrenciais e pragas, segundo o “cngrain.com”.

Já a Índia poderá ter uma produção devido ao problema inverso: o nível de precipitação entre 1 de Junho e 28 de Julho ficou 5% abaixo da média de 50 anos.

Assim, segundo as previsões de analistas citados pela Bloomberg, o arroz deverá voltar a encarecer, depois de se ter cotado abaixo do preço dos futuros do trigo pela primeira vez em mais de dois anos.

Observando os dados relativos aos preços do arroz e do trigo nos últimos três anos, compilados pela Bloomberg, é possível perceber que a cotação do arroz ficou a desconto face ao trigo no passado dia 15 de Julho, pela primeira vez desde Março de 2008 – um mês antes de os preços terem disparado para um recorde, alargando assim o desconto.

Hoje, o arroz para entrega em Setembro segue a ceder 0,3% em Chicago, para 10,11 dólares por 100 libras-peso, ao passo que o trigo valoriza 1% para 6,34 dólares por alqueire.

Mas o “spread” entre os dois cereais pode estar a estreitar-se. “As fortes perdas na produção de arroz da China, conjugadas com uma escassez do mesmo produto na Índia, poderão despoletar uma reacção altista nos preços, pelo menos no curto prazo”, sublinhou à Bloomberg uma economista da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação), Concepcion Calpe.

“Em alguns países, como o Bangladesh, que importam arroz e trigo, isto poderá levá-los a importar mais arroz”, acrescentou a mesma responsável.

Uma queda de 10% na produção de arroz da China levará a que a produção fique aquém da procura em 12,2 milhões de toneladas, quantidade mais do que suficiente para atender às necessidades da Nigéria, Irão e Coreia do Norte juntos, segundo o Departamento norte-americano da Agricultura.

Ver comentários
Outras Notícias