Petróleo Novas descobertas de petróleo em mínimos de 60 anos

Novas descobertas de petróleo em mínimos de 60 anos

As novas descobertas de petróleo no ano passado alcançaram o valor mais baixo desde 1954, revela a IHS, citada pelo Financial Times. O desinvestimento das petrolíferas, na sequência dos preços baixos, pode gerar escassez no mercado.
Novas descobertas de petróleo em mínimos de 60 anos
Bloomberg
Vera Ramalhete 09 de maio de 2016 às 12:00

O mercado petrolífero, actualmente com excesso de oferta, poderá passar a ter um défice de matéria-prima. As novas descobertas de petróleo abrandaram o ano passado, para o nível mais baixo em mais de 60 anos, revela o Financial Times.

As petrolíferas descobriram novas explorações equivalentes a 2,8 mil milhões de barris, no ano passado, segundo a consultora IHS, citada pelo Financial Times. E a maioria das explorações são em águas profundas, que demoram cerca de sete anos a começar a produzir, resultando numa quebra da oferta a partir de meados da próxima década, estima a consultora.

O colapso dos preços do petróleo, que começou em 2014, reflectiu-se nos investimentos realizados pelas petrolíferas no ano passado. De mais de 100 dólares por barril, o preço caiu até a casa dos 25 dólares, este ano. O Brent, negociado em Londres, segue a transaccionar nos 46,23 dólares, esta segunda-feira, com uma subida de 1,90%. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate avança 2,35% para 45,71 dólares por barril.

Para controlar o impacto dos preços baixos nas contas e o crescimento do excedente, as grandes petrolíferas têm recuado no investimento em novas explorações. O que tem levado os analistas alertar para a uma possível nova escalada dos preços, caso o desinvestimento se traduza num défice da oferta. Segundo a Wood Mackenzie, se a taxa de crescimento se mantiver neste nível, irá criar um défice de oferta de 4,5 milhões de barris diários em 2035 – invertendo a actual situação. 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI