Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo negoceia em valores negativos pela primeira vez na história

As cotações do "ouro negro" mergulharam neste arranque de semana, com a matéria-prima a ser fortemente pressionada pela falta de espaço de armazenamento. Nos EUA, negociou em valores negativos pela primeira vez na sua história.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 20 de Abril de 2020 às 21:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 14
  • ...

O contrato de maio do West Texas Intermediate (WTI), "benchmark" para os Estados Unidos, encerrou na segunda-feira a afundar para -37,63 dólares por barril (depois de ter chegado a fixar-se em 40,32 dólares negativos), algo nunca antes visto – e a cair 56 dólares face ao fecho de sexta-feira.

 

O valor de 9,75 dólares tinha sido a cotação intradiária mais baixa desde que os futuros do petróleo foram lançados em 1983 no mercado nova-iorquino de matérias-primas (NYMEX). Ou seja, desde a Administração Reagan que o crude não estava tão barato.

A derrocada desta segunda-feira no WTI deixa os preços do crude norte-americano 159,4% abaixo do pico de janeiro de 63,27 dólares.

 

O facto de os contratos de maio vencerem esta terça-feira levou ao fecho de muitas posições, com os operadores a preferirem prazos mais longos, o que ajudou a afundar os preços.

 

Por seu lado, o Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e referência para as importações portuguesas, perdeu 5,73% para 26,47 dólares por barril.

 

A oferta de crude nos mercados tem sido cada vez mais excedentária face à contínua queda da procura por força da pandemia de covid-19. E, à falta de espaço de armazenamento em terra, muitas empresas estão já a recorrer aos superpetroleiros. O crude que está neste momento guardado no mar atingiu já um novo recorde de 160 milhões de barris (o dobro do nível de há duas semanas).

 

O problema da falta de armazenamento está a afetar sobretudo os produtores norte-americanos. "Com o espaço de armazenamento a encher, o preço do petróleo para entrega imediata afundou", comentou à ProActiveInvestors um analista do Saxo Bank, Ole Hansen.

 

O spread de cerca de 60 dólares entre os contratos de maio e de junho é um claro sinal de que os traders de petróleo físico não têm espaço disponível. O contrato de junho do WTI seguia ao final do dia a cair 9% para 22,70 dólares.
 

O Saxo considera que só uma forte alteração nos fundamentais – como os produtores serem obrigados a parar ou haver uma melhoria significativa do lado da procura – poderá agora travar esta queda dos preços.

 

Em Cushing (Oklahoma) – onde o WTI é armazenado – já só há espaço para 21 milhões de barris e este deverá ficar esgotado já em maio.

 

Uma vez que Cushing funciona como o ponto de fixação do preço do WTI, o aumento das reservas coloca uma pressão negativa nos preços 'spot', o que origina o chamado fenómeno do contango – quando os contratos de futuros têm preços superiores aos de entrega imediata.

Saliente-se que como é em Cushing que é armazenado o petróleo transaccionado no NYMEX, este excedente faz cair os preços locais do crude em relação ao ouro negro que é entregue noutras regiões do mundo.

 

Na semana passada, a Administração Trump disse estar a ponderar pagar aos produtores petrolíferos norte-americanos para deixarem o crude nos poços. Ou seja, quer pagar para que as perfuradoras não trabalhem.

 

Por seu lado, a AIE sublinhou que os EUA registarão uma queda "sem precedentes" na sua produção de petróleo este ano devido aos baixos preços – que dificultam grandemente a vida às empresas do "shale oil" [petróleo extraído das rochas de xisto betuminoso].

 

Além disso, os inventários de crude nos EUA não param de aumentar. As reservas norte-americanas de crude aumentaram em 19,2 milhões de barris há duas semanas, anunciou na passada quarta-feira o Departamento norte-americano da Energia. Foi o maior incremento semanal desde que estes dados começaram a ser compilados, em 1982.

 

Os stocks de crude dos EUA estão agora acima de 500 milhões de barris – pela primeira vez desde junho de 2017, segundo os dados da ClipperData.

 

Ver comentários
Saber mais Nova Iorque WTI West Texas Intermediate Estados Unidos Cushing NYMEX EUA energia preços Brent
Mais lidas
Outras Notícias