Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo acentua perdas com queda superior a 2% nos Estados Unidos

O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos garantiu que a OPEP não vai cortar a sua produção nem que os preços caiam para os 40 dólares por barril. A garantia está, mais uma vez, a penalizar os preços da matéria-prima.

Reuters
Rita Faria afaria@negocios.pt 15 de Dezembro de 2014 às 16:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...

Depois de ter estado a subir mais de 1,5% esta segunda-feira, 15 de Dezembro, o petróleo voltou para terreno negativo nos mercados internacionais, perante sinais de que a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) de não ajustar a sua produção será mesmo mantida.

 

O West Texas Intermediate (WTI), de Nova Iorque, negoceia em mínimos de Maio de 2009, com um recuo de 2,21% para 56,53 dólares, enquanto o Brent, negociado em Londres e que serve de referência às importações europeias, cai 0,82% para 61,34 dólares, um valor próximo de mínimos de Julho de 2009.

 

O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Al-Mazrouei, garantiu que a OPEP vai manter a decisão de não reduzir a produção, em resposta à queda dos preços, e aguardar pelo menos três meses até reunir de emergência para debater novamente o nível de produção dos 12 membros.

 

"Não vamos mudar de ideias por os preços chegarem aos 60 ou aos 40 dólares", assegurou Mazrouei. "O mercado vai estabilizar por si".

 

A matéria-prima está a perder terreno há dez semanas consecutivas e os títulos

Não vamos mudar de ideias por os preços chegarem aos 60 ou aos 40 dólares. O mercado vai estabilizar por si
 
Al-Mazrouei
Ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos

associados à energia têm estado a ser fortemente penalizados nas bolsas mundiais, devido a uma série de factores que compõem o que poderemos chamar de "tempestade perfeita".

 

Um deles é o facto de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ter decidido, na reunião de 26 de Novembro, não cortar o plafond de produção [medida que poderia ajudar a uma retoma dos preços] dos 12 membros do cartel.

 

Além disso, a 10 de Dezembro, a OPEP reviu em baixa as suas estimativas para o próximo ano, dizendo que a procura pelo seu petróleo será em 2015 a mais débil dos últimos 12 anos.

 

A contribuir estiveram ainda as estimativas da Agência Internacional da Energia (AIE), divulgadas na passada sexta-feira, e que também foram revistas em baixa. Segundo a agência, a procura de petróleo em 2015 será menor do que o que tinha sido anteriormente projectado.

 

Por outro lado, a oferta dos países produtores não-OPEP, como a Rússia e os Estados Unidos, está a crescer a um ritmo de 6 milhões de barris por dia.

 

"Não é lógico nem justo pedir à OPEP que reduza a sua produção e não pedir a outros produtores que travem o crescimento esperado da oferta", disse Mazrouei na sua conta no Twitter. 

 

(Notícia actualizada às 16h40 com novas cotações)

Ver comentários
Saber mais Organização dos Países Exportadores de Petróleo energia OPEP Nova Iorque Londres Emirados Árabes Unidos Agência Internacional da Energia Rússia Estados Unidos
Outras Notícias