Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo sobe mais de 2% para o valor mais alto em quase um mês

A matéria-prima está a negociar em alta nos mercados internacionais, devido à especulação de que a redução do investimento na indústria petrolífera terá como consequência uma diminuição da oferta.

Bloomberg
Rita Faria afaria@negocios.pt 03 de Fevereiro de 2015 às 16:04
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O petróleo negoceia em alta esta terça-feira, 3 de Fevereiro, pela quarta sessão consecutiva - a maior série de ganhos desde Agosto do ano passado – devido à especulação de que a redução do investimento da indústria petrolífera terá como consequência uma diminuição da oferta.

 

O Brent, negociado em Londres e que serve de referência às importações europeias, sobe 2,21% para 55,96 dólares enquanto o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, avança 2,66% para 50,89 dólares. Tanto em Londres como em Nova Iorque a matéria-prima está a ser negociada no valor mais elevado desde 5 de Janeiro.

 

A BP anunciou, esta terça-feira, que vai reduzir a despesa em 13%, depois das fortes quedas do petróleo. À semelhança da BP, também a Chevron Corp. e a Royal Dutch Shell reviram em baixo as suas estimativas de gastos para este ano. A indústria petrolífera já cortou os orçamentos em mais de 40 mil milhões de dólares desde o dia 1 de Novembro.

 

"O petróleo está a subir pela quarta sessão consecutiva, com o mercado a corrigir da enorme queda", referiu, em declarações à Bloomberg, Gene McGillian, analista da Tradition Energy. "Os planos de gastos da BP estão, provavelmente, a colocar o foco na contagem de sondas e no que isso vai significar para a produção futura".

 

A BP espera reduzir a sua despesa para 20 mil milhões de dólares este ano, quando anteriormente previa investir entre 24 e 26 mil milhões. O CEO da empresa, Bob Dudley afirmou, em entrevista à Bloomberg, que o petróleo deverá negociar entre os 40 e os 60 dólares por barril nos próximos três anos. 

Ver comentários
Saber mais Londres Texas Nova Iorque BP Chevron Corp Royal Dutch Shell economia negócios e finanças energia
Mais lidas
Outras Notícias