Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Preço do barril recua mais de 1% com negociações sobre programa nuclear iraniano

O Irão e os diplomatas ocidentais vão reunir-se na Suíça para continuar as negociações sobre o programa nuclear iraniano. Se um acordo for fechado, as sanções comerciais a Teerão poderão ser levantadas. As exportações poderão aumentar para os dois milhões de barris por dia.

Bloomberg
André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 30 de Março de 2015 às 09:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O petróleo está a recuar pela segunda sessão consecutiva esta segunda-feira, 30 de Março. O barril de West Texas Intermediate está a cair 1,82% para 47,98 dólares em Nova Iorque, enquanto o barril de Brent recua 1,05% para 55,82 dólares.

 

As quedas acontecem num dia em que o Irão e os diplomatas ocidentais vão reunir-se na Suíça para continuar as negociações sobre o programa nuclear iraniano. Se um acordo for fechado, as sanções comerciais a Teerão poderão ser levantadas o que vai permitir aumentar as exportações de crude do país.

 

As vendas poderão aumentar em um milhão de barris diários para os dois milhões, segundo apontou recentemente o ministro iraniano para o petróleo, Bijan Namdar Zanganeh. Desde 2012 que as exportações estão limitadas a um milhão de barris diários.

 

Esta possibilidade está a aumentar a especulação de que o mercado poderá, no médio prazo, ficar "inundando" com mais petróleo, numa altura em que a produção está em máximos e em que o consumo está a recuar.

 

"Alcançar um acordo nas sanções para o Irão pode ser um factor negativo para os preços do petróleo", disse à Bloomberg Hong Sung Ki, analista da Samsung Futures. "A possibilidade de um acordo ser alcançado não pode ser afastado. Podemos ver um acordo parcial".

 

O Irão é o quinto maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), responsável por 40% da produção mundial e está actualmente a produzir 30 milhões de barris diários.

Ver comentários
Saber mais Nova Iorque petróleo e gás (distribuição) energia economia negócios e finanças
Outras Notícias