Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas regressam aos ganhos. Dólar sobe há oito sessões e petróleo recua

Abertura dos mercados: Bolsas regressam aos ganhos. Dólar sobe há oito sessões e petróleo recua

As notícias da China dão suporte positivo às bolsas europeias, enquanto o dólar continua a ganhar terreno e o petróleo a perder valor. Investidores aguardam com expectativa o desenrolar das negociações entre EUA e China.
Abertura dos mercados: Bolsas regressam aos ganhos. Dólar sobe há oito sessões e petróleo recua
Reuters

Mercados em números

PSI-20 sobe 0,41% para os 5.111,73 pontos

Stoxx600 soma 0,84% para os 361,08 pontos

Nikkei não negociou

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobe 0,1 pontos base para 1,65%

Euro recua 0,08% para 1,1314 dólares

Petróleo em Londres desvaloriza 0,27% para 61,93 dólares o barril 

 

Europa de volta aos ganhos

As principais praças europeias arrancam a semana no verde depois de duas sessões em queda e da primeira quebra semanal do ano. O índice de referência Europeu, o Stoxx600, soma 0,84% para os 361,08 pontos. O otimismo é retomado à semelhança do que sucede na China, onde os títulos regressam à negociação após uma semana de "férias" por ocasião do ano novo chinês. A oriente, a negociação fica positivamente marcada pelo anúncio de que as vendas a retalho na China subiram 8,5% durante esta última época festiva, apesar dos sinais de abrandamento daquela que é a segunda maior economia do mundo. Os índices de ações chinesas fecharam com ganhos acima de 1%.

 

Em Lisboa, a Galp é o "peso pesado" que se destaca, no dia em que revelou um crescimento de 23% dos lucros tal como uma subida no valor do dividendo a distribuir pelos acionistas. A petrolífera segue a somar mais de 1%, e o índice nacional sobe 0,41% para os 5.111,73 pontos. 

 

Dólar ganha força pela oitava sessão

O mercado já incorporou que a Reserva Federal pode fazer uma pausa no ciclo de aumento das taxas de juro, pelo que o dólar continua a ganhar terreno no mercado cambial. O índice da moeda norte-americana, que mede a evolução do dólar contra as principais divisas mundiais, está a subir 0,1%, marcado a oitava sessão consecutiva de ganhos. Já o euro continua a mostrar debilidade – desce pela sexta sessão, a recuar 0,08% para 1,1314 dólares – em linha com os sinais que são dados pela economia da região. Na semana passada a Comissão Europeia reviu em baixa as projeções de crescimento para a economia da Zona Euro.

As variações das moedas são ligeiras até porque os investidores estão de olhos postos nas negociações entre os Estados Unidos e a China, numa altura em que se aproxima o fim do prazo de tréguas (1 de março). O palco é agora ocupado pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, que vai com Robert Lighthizer a Pequim para conversações de alto nível com o vice-presidente chinês Liu He.

 

Juros em alta ligeira

No mercado de dívida soberana as variações são ligeiras, com os juros das obrigações alemãs a corrigirem parte das descidas registadas na semana passada. A "yield" das bunds a 10 anos avança 1,3 pontos base para 0,10%, depois de na semana passada ter tocado em mínimos de 2016. Em Portugal, a taxa das obrigações do Tesouro com a mesma maturidade sobe 0,1 pontos base para 1,65%, depois de terem aliviado nas últimas três sessões.

 

Petróleo penalizado por abrandamento económico

O petróleo registou a semana passada o pior desempenho do ano, com as cotações a desvalorizarem perto de 5%, devido aos renovados sinais de abrandamento da economia global. O sentimento negativo prossegue esta segunda-feira, com o WTI em Nova Iorque a ceder 0,82% para 52,29 dólares e o Brent em Londres a desvalorizar 0,27% para 61,93 dólares. Os investidores do mercado petrolífero estão também atentos às negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos, pois se persistir a guerra comercial vão agravar-se as perspetivas para a evolução da economia global.   

 

Minério de ferro afunda em Singapura

O minério de ferro está a corrigir fortemente das subidas acentuadas na semana passada, que foram motivadas pelos sinais de escassez da oferta. A matéria-prima desce 4,3% em Singapura e negoceia abaixo dos 90 dólares por tonelada, depois de ter avançado 8,4% nas cinco sessões anteriores. Na bolsa chinesa a negociação esteve encerrada devido às comemorações do novo ano, pelo que o minério de ferro está a disparar 4,9% para máximos de 2017.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI