Mercados num minuto Abertura dos mercados: Guerra comercial condiciona bolsas e pressiona petróleo. Juros em quedas

Abertura dos mercados: Guerra comercial condiciona bolsas e pressiona petróleo. Juros em quedas

Os mercados financeiros continuam a evoluir ao ritmo das notícias relacionadas com as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos. Investidores estão também atentos às minutas da Fed.  
Abertura dos mercados: Guerra comercial condiciona bolsas e pressiona petróleo. Juros em quedas
EPA

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,38% para os 5.103,35 pontos

Stoxx 600 ganha 0,01% para os 379,54 pontos

Nikkei valorizou 0,05% para 21.283,37 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 0,6 pontos base para 1,018%

Euro recua 0,07% para 1,1153 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,11% para 72,05 dólares o barril 

 

Bolsas condicionadas pela guerra comercial

Esta manhã, as bolsas europeias estão a ser condicionadas pelo agravar das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, numa altura em que os investidores aguardam também por novidades vindas da Reserva Federal norte-americana.

 

Depois do aumento das tarifas de 10% para 25% sobre produtos chineses e da aplicação de sanções à Huawei, o governo dos EUA poderá agora avançar com nova medida que irá agravar as tensões comerciais com a China. Segundo a Bloomberg, Trump está a estudar acrescentar à lista negra do Departamento de Comércio dos EUA até cinco empresas chinesas líderes mundiais no setor da videovigilância, que ficarão impedidas de adquirir tecnologia produzida pelos norte-americanos, num movimento que serve para travar a estratégia da China para se tornar na maior exportadora mundial deste setor.

 

Os chineses, por seu lado, já estão a retaliar e há várias empresas norte-americanas com atividade na China que estão a ser alvo de contramedidas por parte de Pequim, sendo mesmo obrigadas a cortar planos de investimento ou a transferirem a atividade para outros territórios.

 

As principais praças europeias abriram, assim, a registar quebras ligeiras, seguindo agora sem uma tendência definida. O Stoxx 600, índice que reúne as maiores cotadas europeias, está a subir 0,01% para os 379,54 pontos.

 

Por cá, o PSI-20 está a cair 0,38% para os 5.103,35 pontos, penalizado pela Nos, que está a descontar o dividendo de 35 cêntimos e desvaloriza, por isso, quase 5%.

 

Euro em queda à espera de minutas da Fed

A moeda europeia continua a perder terreno face ao dólar, com os investidores a aguardarem a divulgação das últimas minutas da Fed. O euro cede 0,07% para 1,1153 dólares, com a divisa norte-americana também a servir de abrigo devido à turbulência com a guerra comercial. O índice do dólar negoceia perto de máximos de cinco meses.

 

Contudo o foco no mercado cambial está nas minutas da Fed relativas à última reunião de política monetária, que serão divulgadas esta tarde e poderão dar pistas sobre o rumo da política monetária na maior economia do mundo. O banco central norte-americano deu já sinais de que poderá cortar a taxa de juro diretora se a inflação continuar a apresentar uma evolução aquém das expectativas.

 

Juros da dívida persistem em queda

A dívida soberana europeia também está a ser beneficiada com a turbulência gerada pela guerra comercial e expectativa de manutenção de uma política monetária expansionista pelo Banco Central Europeu. Os juros das obrigações estão em mínimos históricos ou perto disso em muitos países.

 

Nas obrigações do Tesouro a "yield" dos títulos a 10 anos cede 0,6 pontos base para 1,018%, depois de ontem ter atingido um mínimo histórico muito próximo de 1%. Na dívida alemã (-1 ponto base para -0,075%) e na espanhola (-0,9 pontos base para 0,859%), as quedas são ligeiramente superiores. Portugal está hoje no mercado primário, para concretizar uma oferta de troca que visa atirar para 2026 o reembolso de uma linha de obrigações que está previsto para 2021.

 

Stocks e guerra comercial pressionam petróleo    

O petróleo é ouros dos ativos que está a ser pressionado pela guerra comercial, já que aumentam as análises que apontam para um efeito negativo no crescimento económico global. O presidente da Fed de Boston diz que a disputa comercial vai provocar uma revisão em baixa das projeções económicas e a OCDE revelou ontem estimativas mais baixas para o crescimento económico global.

 

Além disso, o American Petroleum Institute (API) revelou um aumento de 2,4 milhões de barris nos "stocks" de crude, o que aponta para uma retração no consumo e níveis adequados na oferta. O WTI em Nova Iorque desvaloriza 0,98% para 62,51 dólares e o Brent em Londres cede 0,57% para 71,77 dólares

 

Ouro pressionado pela alta do dólar

O metal precioso continua a negociar em sentido inverso à moeda norte-americana, pelo que está em terreno negativo esta quarta-feira e a transacionar perto de mínimos de duas semanas. O ouro está a recuar 0,1% para 1.273,77 dólares a onça       




pub

Marketing Automation certified by E-GOI