Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Abertura dos mercados: Bolsas disparam e petróleo corrige de fortes ganhos após acordo da OPEP

O mercado está a aplaudir o acordo alcançado entre os membros da OPEP para reduzir a produção de petróleo. As bolsas europeias valorizam mais de 1%, enquanto a matéria-prima corrige das fortes subidas de quarta-feira.

Reuters
Rita Faria afaria@negocios.pt 29 de Setembro de 2016 às 09:46
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Os mercados em números

PSI-20 sobe 1,11% para 4.613,03 pontos

Stoxx 600 ganha 1,03% para 346,10 pontos

Nikkei valorizou 1,39% para 16.693,71 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 2 pontos base para 3,309%

Euro sobe 0,04% para 1,1222 dólares

Petróleo em Londres desce 0,55% para 48,42 dólares o barril

Bolsas europeias em alta aplaudem acordo da OPEP

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta quinta-feira, 29 de Setembro, com o mercado a aplaudir o acordo alcançado entre os membros da Organização dos países Exportadores de Petróleo (OPEP) para cortar a produção.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 1,03% para 346,10 pontos, impulsionado sobretudo pelo sector petrolífero, que dispara quase 4,5%.

Na bolsa nacional, é precisamente a Galp Energia a cotada que mais anima o PSI-20, com uma subida de 3,81% para 12,115 euros.

Também o BCP contribui para os ganhos. O banco liderado por Nuno Amado soma 2,65% para 1,55 cêntimos, depois de o conselho de administração ter aprovado a fusão das acções, numa reunião que decorreu esta terça-feira. O plano de fusão, que será concretizado a 24 de Outubro, fará com que os accionistas fiquem com uma acção por cada 75 detidas.

Esta fusão abre caminho à entrada da Fosun no capital da instituição, já que era uma das condições apresentadas pelos chineses. O conselho de administração decidiu, assim, mandatar a comissão executiva para prosseguir e finalizar com exclusividade as negociações com o conglomerado chinês.

Juros de Portugal descem contrariando tendência

Os juros da dívida pública portuguesa estão a descer no mercado secundário, contrariando a tendência que se verifica na maioria dos países da região do euro. A ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos desce 2 pontos base para 3,309%, enquanto no prazo mais curto, a cinco anos, o alívio é de 0,9 pontos para 1,874%.

Em Espanha, os juros associados à dívida a dez anos sobem 1,5 pontos para 0,912% e, em Itália, agravam-se em 0,7 pontos para 1,190%.

Dólar pouco alterado

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está pouco alterado depois de ter caído ontem pela terceira sessão consecutiva, mesmo depois de a presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos, Janet Yellen, ter dito que a maioria dos membros do Comité Federal do Mercado Aberto (FOMC, na sigla inglesa) espera um aumento dos juros este ano.

Depois de a Fed ter decidido manter a taxa de juro inalterada na reunião deste mês, o mercado aponta para uma probabilidade de 54% de o banco central anunciar uma subida no encontro de Dezembro.

Petróleo corrige de fortes subidas após acordo da OPEP

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, corrigindo das fortes subidas registadas na sessão de ontem. O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,28% para 46,92 dólares enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,55% para 48,42 dólares.

Esta evolução acontece depois de a matéria-prima ter disparado mais de 5,5% na quarta-feira, reagindo ao anúncio de um acordo entre os membros da OPEP para reduzir a produção do grupo em 796 mil barris por dia para um tecto máximo de 32,5 milhões de barris.

Mesmo com este entendimento, o Goldman Sachs e Citigroup mantêm as suas estimativas de preços para a matéria-prima, considerando que permanecem dúvidas sobre a forma como o acordo será implementado.

Metais industriais sobem para máximos de mais de um ano

O acordo da OPEP para cortar a produção de petróleo levou os metais industriais a subirem para o valor mais alto em mais de um ano. O chumbo atingiu máximos de Maio do ano passado, enquanto o estanho negociou no valor mais alto desde o final de 2014.

O índice de seis metais da London Metal Exchange está a caminho de completar o terceiro trimestre consecutivo de ganhos pela primeira vez desde 2011, impulsionado pelas melhorias da economia chinesa e pelas medidas de estímulo em todo o mundo.  

Ver comentários
Saber mais Abertura dos mercados bolsas bolsa nacional PSI-20 Europa Stoxx600 matéria-primas petróleo WTI Brent ouro euro dólar OPEP
Mais lidas
Outras Notícias