Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto25.08.2022

Europa fecha mista. Juros aliviam e euro "encosta-se" à paridade

Acompanhe aqui, minuto a minuto, o desempenho dos mercados durante esta quinta-feira.

Sílvia Abreu silviaabreu@negocios.pt 25 de Agosto de 2022 às 18:02
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
25.08.2022

Europa segue a somar, mas retalho tomba perto de 2%

Os primeiros encontros presenciais com investidores estão a ser usados pelos gestores para atualizar estimativas e acalmar os receios sobre o impacto da guerra no mercado financeiro.

As principais praças do Velho Continente terminaram o dia maioritariamente pintadas de verde, com dados acima do esperado da economia alemã a darem um impulso aos investidores.

O Stoxx 600 - índice de referência europeu - chegou a subir 0,80%, mas acabou por se fixar nos 0,30% para os 433,36 pontos. A registar os maiores ganhos estiveram a tecnologia e o petróleo e gás, a subirem ambas 1,03%. A sustentar o "benchmark" estiveram ainda o setor mineiro e os serviços financeiros.

A registar as maiores perdas esteve o setor do retalho, a tombar perto de 2%, depois da Jefferies ter anunciado numa nota que a marca de roupa H&M poderia sofrer consequências de uma diminuição do consumo no resto do ano.

Entre os principais movimentos de mercado esteve ainda a empresa suíça de serviços financeiros, a Baloise, que registou a maior queda desde março de 2020 ao desvalorizar 5,74%, depois de ter revelado resultados sólidos, mas "pouco espetaculares", como indicaram analistas consultados pela Bloomberg.

Entre os principais índices da Europa Ocidental, em Amesterdão, o AEX subiu 0,62%, o alemão Dax somou 0,39%, o britânico FTSE 100 valorizou 0,11% e o italiano FTSEMIB ganhou 0,10%.

A registar perdas esta quinta-feira esteve o espanhol IBEX 35 a recuar 0,15% e o francês CAC-40 bem perto da linha de água a ceder 0,08%. O português PSI não acompanhou a tendência europeia e desvalorizou também 0,11%.

25.08.2022

Juros aliviam perante atas do BCE

Os juros da dívida soberana estão a aliviar na Zona Euro, num dia marcado pela divulgação das atas da reunião de julho do Banco Central Europeu (BCE) que mostrou unanimidade por parte dos decisores numa nova ferramenta anti-crise, à medida que os custos de financiamento das economias mais frágeis aumentam e ficam assim superiores aos das economias mais robustas.

Por outro lado, o documento revela ainda que a decisão tomada de subir as taxas diretoras em 50 pontos base não foi unânime, com vários membros, não se sabe ao certo quantos, a preferirem uma subida de apenas 25 pontos.

Ao longo do dia os juros estiveram a aliviar, com Itália a liderar as perdas e a terminar o dia a ceder 12,8 pontos base para 3,536%.

Na Alemanha, a
 "yield" das Bunds a dez anos – referência para a Europa – diminuiu 5,4 pontos base para 1,310%, estando a aliviar pela primeira vez depois de sete dias em ascensão.


Na Península Ibérica
 os juros da dívida portuguesa a dez anos recuaram 7,3 pontos base para 2,369%, enquanto a "yield" da dívida espanhola aliviou 7,8 pontos base para 2,480%.

Ainda sob avaliação por parte dos investidores esta quinta-feira estiveram dados económicos divulgados na Alemanha que mostram que a economia do país foi mais resiliente do que o esperado nos segundos três meses do ano, ao crescer 0,1%.

25.08.2022

Euro aproveita fraqueza do dólar mas mantém-se abaixo da paridade. Banco da China dá força ao yuan

O euro continua abaixo da paridade contra o dólar, ainda que a tendência seja positiva com uma subida de 0,29% para 0,9996 dólares.

 

A moeda única aproveita assim a fraqueza da nota verde. O índice do dólar da Bloomberg – que compara o "green cash" com 10 divisas rivais – cai 0,28% para 108,38 pontos, reagindo em baixa aos números do PIB nos EUA.

 

A economia dos Estados Unidos contraiu 0,6%, em termos anualizados, no segundo trimestre de 2022, divulgou esta quinta-feira o Departamento do Comércio, uma queda inferior à avançada na primeira estimativa, que indicava uma contração de 0,9%.

 

Já na China, o yuan sobe 0,16% para 0,1460 dólares e negoceia na linha d’ água (0,06%) em relação à moeda única europeia, para 0,1463 euros, depois de o Banco da China ter fixado a taxa de referência diária do câmbio em 6,8536 yuans por dólar, acima dos 6,8656 esperado por investidores e analistas, segundo uma sondagem da Bloomberg.

25.08.2022

Ouro valoriza pelo terceiro dia com deslize do dólar

O ouro valoriza pelo terceiro dia, à medida que o dólar enfraquece – tornando a matéria-prima denominada na nota verde mais atraente para os investidores que negoceiam com outras moedas. O mercado está a digerir os dados económicos enquanto aguarda o discurso do presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell.

 

O metal amarelo soma 0,31% para 1.756,59 dólares por onça, depois de na segunda-feira ter caído para mínimos de perto de três semanas. Prata, platina e paládio seguem esta tendência positiva.

 

A economia dos Estados Unidos contraiu 0,6%, em termos anualizados, no segundo trimestre de 2022, divulgou esta quinta-feira o Departamento do Comércio. Ainda assim, os dados divulgados são ligeiramente melhores do que aqueles apontados na última estimativa, que dava conta de uma contração de 0,9%.

 

Os investidores aguardam com expectativa o discurso do presidente da Fed na sexta-feira ao início da tarde. A expectativa do mercado é que Powell dê alguma indicação sobre os próximos passos do banco central. "Penso que não irá ser específico sobre um número, mas considero que vai dizer que há um risco de restringir demasiado" as políticas, antecipa o economista-chefe do Goldman Sachs, Jan Hatzius, à Bloomberg.

25.08.2022

Possibilidade do Irão voltar a exportar crude é mais forte e faz petróleo parar ganhos

O petróleo está a desvalorizar após dois dias de ganhos, numa altura em que a possibilidade do Irão colocar de novo petróleo no mercado mundial se sobrepõe a um anúncio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (OPEP+), que ameaça diminuir a produção desta matéria-prima.

Comentários do ministro da energia da Arábia Saudita estão a marcar os mercados do crude, uma vez que o executivo defende que o grupo OPEP+ deveria diminuir a produção devido a uma desconexão entre os futuros e o mercado físico. O discurso teve o efeito desejado com o petróleo a registar ganhos nos dois dias a seguir, explicou o analista Craig Erlam da Oanda, à Bloomberg.

O West Texas Intermediate (WTI), referência para os EUA, perde 0,67% para 94,25 dólares por barril, enquanto o Brent do Mar do Norte – negociado em Londres – recua 0,25%, estando a negociar nos 100,97 dólares por barril.

25.08.2022

Wall Street em terreno positivo. Tesla desvaloriza, mesmo com "stock split"

Wall Street abriu as negociações desta quinta-feira em terreno positivo, estando a recuperar de perdas vividas no inicio da semana, principalmente no "benchmark" mundial S&P 500 que registou três dias consecutivos no vermelho.

Esta semana, altamente volátil, está a ser marcada por uma crescente antecipação de um simpósio da Reserva Federal norte-americana, onde está previsto um discurso por parte do presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, no qual os investidores vão estar à procura de maiores pistas sobre o caminho a seguir por parte do banco central.

"O mercado está mesmo a tentar justificar um 'bear rally market' e está à procura de uma mudança para um discurso menos agressivo da Fed, mas é pouco provável que isso aconteça. Isto é, de forma geral, o que está a gerar tanta volatilidade no período que antecipa o simpósio", explica a analista Mehvish Ayub da State Street Global Advisors à Bloomberg. "Eu ainda acredito que a Fed vai continuar a ir atrás da inflação", adiantou.

O industrial Dow Jones está a ceder 0,21% para 32.901,36 pontos. Por sua vez, o "benchmark" mundial por excelência, S&P 500, ganha 0,24% para 4.150,56 pontos. Por fim, o tecnológico Nasdaq Composite valoriza 0,47% para 12.493,44 pontos.

Os investidores estão ainda a analisar os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos que reduziram pela segunda semana consecutiva, abaixo das estimativas dos analistas, sugerindo que apesar da incerteza económica no país o emprego é um dados que continua estável.

Entre os principais movimentos de mercado está a Nvidia, multinacional de tecnologia norte-americana, que está a recuar 0,41%, depois de ter reduzido as perspetivas para o terceiro trimestre, bem abaixo das expectativas, numa altura em que a procura por "chips" usados principalmente em computadores de "gaming" tem vindo a diminuir. Também a Salesforce, uma empresa de software de "cloud" tomba 7,97%, após ter revelado resultados positivos no segundo trimestre do ano, mas ter cortado nas perspetivas de crescimento para a segunda metade de 2022.

Já a Tesla está a desvalorizar 0,93%, ao contrário do que seria expectável uma vez que entra esta terça-feira em vigor o "stock split" de uma ação para três, aprovada em reunião de acionistas no início de agosto. Em junho, no anúncio da operação, a empresa liderada por Elon Musk tinha explicado que o
 objetivo passava por "redefinir o preço das ações para que os trabalhadores [da Tesla]" consigam ter maior flexibilidade na gestão do seu capital, bem como tornar as ações mais acessíveis a investidores de retalho, para quem o valor atual tornava a compra inacessível.

25.08.2022

Europa arranca negociação a sorrir. Petróleo e gás impulsionam Stoxx 600

Os primeiros encontros presenciais com investidores estão a ser usados pelos gestores para atualizar estimativas e acalmar os receios sobre o impacto da guerra no mercado financeiro.

A Europa arrancou a sessão desta quinta-feira pintada de verde, numa altura em que um novo pacote de medidas da China para apoiar a economia e dados acima do esperado na Alemanha impulsionaram o apetite pelo risco dos investidores.

O Stoxx 600 - "benchmark" para a Europa - subiu 0,72% para 435,17 pontos. Dos 20 setores que compõem o índice, o setor do petróleo e gás é o que mais sustenta o indíce, estando a subir 1,68%. 

Nos restantes índices europeus, o AEX subiu 0,78%, o francês CAC-40 valorizou 0,69%, o italiano FTSEMIB ganhou 0,55%, o alemão DAX somou 0,70% e o espanhol Ibex avançou 0,63%.

"Acredito que a negociação será conturbada até que os investidores obtenham mais clareza quanto aos próximos passos da Reserva Federal norte-americana (Fed)", disse Ipek Ozkardeskaya, analista sénior no Swissquote.

Os investidores estão esta quinta-feira de olhos postos no simpósio em Jackson Hole, que anualmente reúne os principais líderes dos bancos centrais, sendo o momento mais aguardado o do discurso do presidente da Fed, Jerome Powell, marcado para sexta-feira.

25.08.2022

Zona Euro vê alívio nos juros

Os juros da dívida soberana estão a alivar na Zona Euro, num dia em que são divulgadas as atas da reunião de julho do Banco Central Europeu (BCE) e que os dados económicos divulgados na Alemanha mostram que a economia alemã foi mais resiliente do que o esperado no segundo trimestre do ano. Cresceu 0,1% apesar da inflação e da guerra na Ucrânia.

A "yield" das Bunds alemãs a dez anos – referência para a Europa – desceu 4,2 pontos base para 1,322%, tendo aliviado após sete dias de agravamento. Já os juros da dívida italiana recuaram 6,8 pontos base para 3,596%, enquanto a "yield" da dívida francesa caíu 5 pontos base para 1,930%. 

Por cá, os juros da dívida portuguesa a dez anos recuaram 5,5 pontos base para 2,388%, enquanto a "yield" da dívida espanhola cedeu 5,2 pontos base para 2,505%.

25.08.2022

Euro valoriza mas mantém-se abaixo da paridade com o dólar

O euro segue a valorizar 0,3% face ao dólar, estando neste momento a valer 0,9997 dólares. A moeda única vê algum alívio, apesar de se manter abaixo da paridade com a nota verde, num dia em que as atenções dos investidores estão centradas no arranque do simpósio em Jackson Hole, que anualmente reúne os líderes de vários bancos centrais. 

Já o índice do dólar da Bloomberg – que mede a força do dólar contra 10 divisas rivais – cede 0,41% para 108,259 pontos. A nota verde desceu face a todas as principais moedas rivais, com o dólar australiano a liderar os ganhos, numa altura em que a o novo pacote económico anunciado pela China elevou as "commodities" e impulsionou a procura por ativos de risco.




25.08.2022

Ouro valoriza em dia de reunião em Jackson Hole

O ouro segue a valorizar pelo terceiro dia, após seis dias consecutivos de perdas. Os investidores estão à espera de pistas quanto ao caminho da política monetária da Reserva Federal norte-americana (Fed), com as atenções centradas no discurso do presidente da Fed, Jerome Powell, em Jackson Hole, na sexta-feira.

Apesar de ser já claro que a subida das taxas de juro diretoras vai continuar, a dimensão e o ritmo desse aumento continua incerto.

O metal amarelo avança 0,65% para 1.762,56 dólares por onça, ao passo que a platina sobe 0,89% para 887,95 dólares e o paládio valoriza 2,20% para 2.083,27 dólares.

25.08.2022

Petróleo valoriza. Gás vê nova subida

O petróleo segue a valorizar pela terceira sessão consecutiva, após um relatório governamental ter indicado que os Estados Unidos exportaram um número recorde de crude e produtos refinados.

O West Texas Intermediate (WTI), referência para os EUA, sobe 0,43% para 95,30 dólares por barril, enquanto o Brent do Mar do Norte – negociado em Londres – valoriza 0,58%, estando a negociar nos 101,81 dólares por barril.

O "ouro negro" caminha para um ganho semanal, numa altura em que as perspetivas de uma redução no fornecimento compensam as preocupações quanto a um abrandamento da economia. A exportação de petróleo do Cazaquistão poderá não ser uma opção durante meses devido a danos no principal oleoduto do país, juntando-se esta pespetiva ao facto de a Arábia Saudita ter aberto a porta ao corte da produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), numa tentativa de estabilizar o mercado.

No mercado do gás, os preços da matéria-prima continuam a subir, numa altura em que a pior crise energética nas últimas décadas aumenta a pressão sobre os governos para apoiar as indústrias e as famílias.

O gás negociado em Amesterdão (na sigla inglesa TTF), referência para o mercado europeu, sobe 2,34%, estando a cotar-se em 299 euros por megawatt-hora.

A Bloomberg aponta que os ministros da União Europeia responsáveis pela pasta da energia poderão convocar uma reunião extraordinária para debater os elevados preços.

25.08.2022

Europa aponta para arranque com ganhos. Ásia no verde

A Europa aponta para um arranque com ligeiros ganhos. Os futuros do Euro Stoxx 50 sobem 0,2%, numa altura em que os investidores estão de olhos centrados no simpósio em Jackson Hole e na crise energética que a União Europeia atravessa. 

Já na Ásia, o fecho da sessão foi pintado de verde, numa altura em que os investidores digerem o novo pacote de medidas da China para apoiar a economia.

Pela China, o Shangai Composite subiu 0,17%, enquanto no Japão, o "benchmark" do país Nikkei avançou 0,72% e o Topix valorizou 0,51%. Já na Coreia do Sul, o Kospi subiu 0,98%. Em Hong Kong, o Hang Seng cresceu 1,59%, após a retoma da sessão, que chegou a ser interrompida devido a um alerta de tufão.


O arranque da reunião em Jackson Hole, em Wyoming, onde se encontram anualmente vários líderes de bancos centrais está a centrar as atenções dos investidores, com o discurso do presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell, na sexta-feira, a ser o mais aguardado.

A expetativa é de que seja possível obter pistas quando à próxima subida das taxas de juro diretoras por parte da autoridade monetária norte-americana, numa altura em que as apostas dos investidores divergem perante sinais mistos.

Já na Europa, os preços do gás natural continuam a subir, intensificando a crise energética que ameaça a economia da Zona Euro.

Ver comentários
Saber mais mercados ouro câmbio Europa Ásia euro dólar petróleo juros
Outras Notícias