Mercados num minuto Fecho dos mercados: BCE anima bolsas, impulsiona ouro e dá ao euro maior queda em oito meses

Fecho dos mercados: BCE anima bolsas, impulsiona ouro e dá ao euro maior queda em oito meses

A indicação do BCE de que os juros vão permanecer baixos até ao Outono de 2019 animou as bolsas e o metal precioso, mas levou a moeda única a registar a maior queda desde Outubro do ano passado.
Fecho dos mercados: BCE anima bolsas, impulsiona ouro e dá ao euro maior queda em oito meses
reuters
Rita Faria 14 de junho de 2018 às 17:26

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,10% para 5.677,81 pontos

Stoxx 600 avançou 1,23% para 393,04 pontos

S&P 500 valoriza 0,27% para 2.783,16 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos recuaram 3,3 pontos para 1,915%
Euro desvaloriza 1,35% para 1,1632 dólares

Petróleo cai 0,91% para os 76,04 dólares por barril em Londres

 

Bolsas europeias sobem à boleia do BCE

A maioria dos principais índices europeus encerrou com uma subida superior a 1% esta quinta-feira, 14 de Junho, depois de o BCE ter dito que os juros vão ficar baixos pelo menos até ao Outono de 2019, e que o programa de compra de activos termina em Dezembro.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx 600 avançou 1,23% para 393,04 pontos, numa sessão em que o foi o alemão DAX a destacar-se nos ganhos, com uma valorização de 1,68%.

 

Lisboa contrariou a tendência com o PSI-20 a desvalorizar 0,10% para 5.677,81 pontos, penalizado sobretudo pela Sonae e pelas cotadas do sector da pasta e do papel. Aqui, destacou-se a Navigator com uma queda de 2,76% para 5,82 euros, e a Altri, que perdeu 1,70% para 8,68 euros, depois de o BPI ter dito que actual cotação não tem suporte.
 

BCE alivia juros da dívida

A reflectir as decisões anunciadas pelo BCE estão também os juros da dívida dos países do euro, que registam um alívio generalizado. Isto porque a autoridade monetária irá manter o programa de compra de activos até ao final do ano, e os juros baixos pelo menos até ao Outono de 2019.

 

Em Portugal, a yield associada às obrigações a dez anos recua 3,0 pontos para 1,917%, enquanto em Espanha a descida é de 5,9 pontos para 1,352%. Na Alemanha, no mesmo prazo, os juros aliviam 5,6 pontos para 0,426% e em Itália 6,6 pontos para 2,740%.

 

Taxas Euribor mantêm-se em todos os prazos

As taxas Euribor mantiveram-se inalteradas hoje em todos os prazos em relação a quarta-feira.

 

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, manteve-se hoje pela sétima sessão consecutiva em -0,321%, enquanto a taxa a seis meses – a mais utilizada no crédito à habitação em Portugal - ficou em -0,268%.

 

A nove meses, a Euribor manteve-se também nos -0,212%, e a 12 meses nos -0,181%.

 

Euro com maior descida em quase oito meses

A moeda única europeia é a grande "vítima" das indicações dadas esta quinta-feira pelo Banco Central Europeu (BCE). O euro está a descer 1,28% para 1,1640 dólares, depois de ter chegado a desvalorizar um máximo de 1,46%, o maior recuo intradiário desde 26 de Outubro de 2017.

 

A explicar este comportamento está a indicação do banco central de que os juros na Zona Euro só deverão subir a partir do Outono do próximo ano, quase um ano depois da data projectada para a retirada total do programa de compra de activos.

 

Arábia Saudita penaliza petróleo

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, penalizado pelas declarações do ministro da energia da Arábia Saudita. Khalid Al-Falih disse esta quinta-feira que um acordo da OPEP para aumentar a produção é "inevitável".

 

A Arábia Saudita já tinha defendido uma redução gradual dos cortes na produção, uma medida apoiada pela Rússia, mas que enfrenta a oposição de países como o Irão e a Venezuela. A reunião da OPEP em que será tomada a decisão realiza-se na próxima semana, em Viena.

 

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,20% para 66,51 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,90% para 76,05 dólares.

 

Ouro atinge máximos de um mês

A beneficiar com o anúncio do BCE está ainda o ouro, que chegou a subir para o valor mais alto do último mês. Isto porque a garantia de juros baixos durante o próximo ano aumenta o apetite por activos que não pagam juros, como é o caso do metal precioso.

 

O ouro ganha 0,38% para 1.304,30 dólares por onça, depois de ter chegado a subir 0,77% para 1.309,37 dólares, o valor mais alto desde 15 de Maio.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
INAPA Há 1 semana

2018 INAPA, desce 40%, ALTRI sobe 800%, já esteve a 1€, NAVIGATOR sobe 150%, já esteve a 2€, INAPA será a próxima a subir, está a dar dinheiro e na moda o sector do papel: http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/inapa-volta-a-ser-a-empresa-portuguesa-mais-internacional

General Ciresp Há 1 semana

Oh Ritinha meu bem,esta a dar a passada maior q a perna.O fina flor falou em subir as tx de juro para o verao do proximo ano,e tu empurras para o outono.Dessa maneira nunca mais entramos no comboio americano.Nao digas nada,mas ainda vai passar muita agua debaixo da ponte.O vicio do euro enorme.

BCP ÚLTIMO SEGUNDO 17h35 Há 1 semana



TAL COMO ONTEM os SHORTISTAS andam MALUCOS
MAIS DE 10 MILHÕES de AÇÕES ao DESBARATO que FIZERAM com que o MILENIUM BCP CAISSE 1% no último SEGUNDO o pessoal do SHORTINHO anda mesmo DESESPERADO mas eles que se DEIXEM lá ESTAR que o MELHOR está aqui está a CHEGAR

pub