Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fecho dos mercados: Bolsas registam ganhos tímidos e petróleo alivia de máximos

As bolsas europeias encerraram com sinal verde, numa sessão em que o cobre atingiu o valor mais alto desde 2014 e o petróleo aliviou de máximos de mais de dois anos e meio.

Rita Faria afaria@negocios.pt 27 de Dezembro de 2017 às 17:13
  • Partilhar artigo
  • ...

O mercado em números
Stoxx 600 ganhou 0,07% para 390,54 pontos
PSI-20 recuou 0,08% para 5.379,20 pontos
S&P 500 sobe 0,08% para 2.682,64 pontos
Juros da dívida portuguesa a dez anos subiram 0,5 pontos para 1,843%
Euro valoriza 0,34% para 1,1899 dólares
Petróleo em Londres cai 1,01% para 66,34 dólares por barril

Bolsas pouco alteradas fecham no verde

O dia na Europa foi marcado por oscilações, com os principais índices bolsistas a variarem entre ganhos e quedas ligeiras. A ausência de notícias e de investidores – habituais nesta altura do ano – justificam a volatilidade, com a liquidez a ser bastante reduzida, como também é normal nesta época festiva.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganhou 0,07% para 390,54 pontos, com a maioria das praças a encerrar com sinal verde.

As excepções foram Madrid e Lisboa, onde o PSI-20 recuou 0,08% para 5.379,20 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP e pela Jerónimo Martins. O banco liderado por Nuno Amado caiu 0,11% para 26,97 cêntimos, enquanto a retalhista cedeu 0,53% para 15,955 euros.  


Juros portugueses pouco alterados mantêm-se abaixo dos de Itália

Os juros da dívida portuguesa negociaram com variações muito ligeiras, acompanhando a tendência que se estendeu à generalidade dos países do euro. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos subiu 0,5 pontos para 1,843%, mantendo-se abaixo dos juros de Itália no mesmo prazo, que subiram 0,8 pontos para 1,920%.

Em Espanha, os juros desceram 0,2 pontos para 1,470%, enquanto na Alemanha caíram 3,6 pontos para 0,385%.  

Euro ganha terreno face ao dólar

A moeda única europeia está a valorizar face ao dólar, negociando próxima do valor mais elevado desde o início do mês de Dezembro. O índice que mede a evolução da moeda norte-americana face às principais congéneres mundiais deverá completar, por seu lado, a terceira sessão consecutiva de quedas, o que poderá estar relacionado com o reajustamento de portefólios no final do ano, segundo analistas ouvidos pela Bloomberg.  

O euro ganha 0,34% para 1,1899 dólares.

Petróleo alivia de máximos de 2015

O petróleo está a negociar em queda, depois de ter subido mais de 2,5% na sessão de ontem para negociar no valor mais alto em mais de dois anos e meio. A matéria-prima esteve a reagir a uma explosão num oleoduto na Líbia, que levou a produção do país a descer a barreira de 1 milhão de barris. Segundo fontes citadas pela Bloomberg, a reparação deverá demorar uma semana.

Nesta altura, o Brent, transaccionado em Londres, desce 1,01% para 66,34 dólares, enquanto o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 0,68% para 59,56 dólares.


Cobre atinge máximos de mais de três anos

O cobre atingiu esta quarta-feira a cotação mais elevada desde 2014, depois de a China ter ordenado ao seu principal produtor que suspendesse a produção para combater a poluição, dando um novo impulso a um metal que tem sido animado pelo optimismo em torno da procura e pelas interrupções de fornecimento nas minas.

O metal chegou a subir 1,2% para 7.210 dólares por tonelada, na nona sessão de subidas, a mais longa série de valorizações desde 2004. O cobre ganha quase 30% desde o início do ano, um desempenho superado apenas pelo alumínio no mercado londrino de metais (LME). 

Ver comentários
Saber mais fecho dos mercados petróleo bolsas mercados euro dólar juros dívida mercados num minuto fecho dos mercados Europa Estados Unidos
Outras Notícias