Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas sobem com banca em máximos de outubro. Dólar e petróleo aliviam

Fecho dos mercados: Bolsas sobem com banca em máximos de outubro. Dólar e petróleo aliviam

As bolsas europeias fecharam em alta, a beneficiar de um sentimento positivo entre os investidores. Destaque para a banca, que subiu para máximos de outubro. Já o petróleo está a cair, a aliviar do maior ciclo de ganhos semanais em três anos. O dólar e o ouro estão também em queda, com os investidores a preferirem arriscar mais.
Fecho dos mercados: Bolsas sobem com banca em máximos de outubro. Dólar e petróleo aliviam
Reuters
Sara Antunes 15 de abril de 2019 às 17:23

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,56% para 5.49,55 pontos

Stoxx 600 apreciou 0,15% para 388,10 pontos

S&P 500 desvaloriza 0,26% para 2.899,83 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 2,2 pontos base para 1,194%

Euro avança 0,07% para 1,1306 dólares

Petróleo cai 0,77% para 70,99 dólares por barril, em Londres

 

Bolsas próximas de máximos com banca em destaque

As bolsas europeias fecharam em alta esta segunda-feira, a beneficiar dos dados económicos divulgados pela China, que sugerem que a segunda maior economia do mundo esteja a recuperar. As exportações chinesas registaram a maior subida em cinco meses, ao mesmo tempo que as importações diminuíram.

 

Este indicador foi conhecido no mesmo dia em que há notícias de que a China e os EUA estão perto de fechar um acordo comercial.

 

Estas duas questões aumentam a especulação em torno da economia mundial, e sustentaram a negociação bolsista por toda a Europa. Nos EUA, os resultados do Citigroup e pelo Goldman Sachs estão a travar o entusiasmo.

 

Na Europa, o Stoxx600, índice que agrega as 600 maiores cotadas europeias, subiu 0,15%, aproximando-se de um máximo de outubro. E a contribuir para este desempenho esteve o setor financeiro. A perspetiva do regresso à normalidade, com o fim da guerra comercial, e de recuperação económica mundial animou os investidores, com a banca a ser um dos setores mais beneficiados. O índice europeu para a banca atingiu mesmo máximos de outubro.

 

Em Lisboa, o cenário foi idêntico, com o BCP em destaque, ao subir mais de 3%, impulsionando o PSI-20 para níveis de setembro.

 

Juros sobem em Portugal

As taxas de juro estão a subir, depois de na semana passada terem descido e atingindo níveis nunca antes vistos. A "yield" da dívida portuguesa a 10 anos está a subir 2,2 pontos base para 1,194%, depois de na semana passada ter quebrado pela primeira vez na história a barreira de 1,2%.

 

Já na Alemanha, a taxa a 10 anos também está a descer 0,1 pontos base para 0,053%.

 

Dólar cai com perspetivas positivas de um acordo comercial entre os EUA e China

O dólar recua frente à generalidade de moedas, a refletir a expectativa em torno da iminência de um acordo comercial entre os EUA e a China. Este contexto diminui os receios de uma guerra comercial e os investidores acabam por se expor a ativos considerados mais arriscados e sair dos ativos-refúgio, como é o caso do dólar.

 

Petróleo alivia do maior ciclo de ganhos semanais em três anos

Os preços do petróleo estão a recuar esta segunda-feira, a aliviar das subidas recentes. O West Texas Intermediate (WTI) desce mais de 1% para 63,18 dólares por barril, depois de na semana passada ter completado seis semanas consecutivas de subidas, o que corresponde ao maior ciclo semanal de ganhos em três anos.

 

O barril do Brent, transacionado em Londres e referência para Portugal, está a descer 0,77% para 70,99 dólares.

 

Ouro desce com maior exposição ao risco

O ouro está a recuar, devido à expectativa de que EUA e China ponham efetivamente fim às negociações comerciais, fechando um acordo entre os dois. O metal precioso, que costuma ser usado pelos investidores como ativo de refúgio em períodos de maior incerteza ou de maior agitação geopolítica, acaba por ser penalizado com o alívio dos receios. O ouro desce 0,19% para 1.287,95 dólares por onça.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI