Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto23.11.2021

Stoxx 600 com a maior queda desde setembro. Petróleo sobe mais de 1,5% com recurso às reservas estratégicas abaixo do esperado

Acompanhe aqui o dia nos mercados.

  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
23.11.2021

Covid-19 e perdas do setor tecnológico levam Stoxx 600 à maior queda desde setembro

O Stoxx 600 fechou esta terça-feira com uma queda de 1,28% para 479,25 pontos, num dia em que a subida do número de infeções de covid-19 na Europa está a pesar no sentimento dos investidores. Além disso, também a possibilidade de retirada de estímulos à economia pesou nesta sessão. Esta é a maior queda do índice que agrupa as 600 maiores cotadas europeias desde dia 28 de setembro. 


A juntar a este cenário, os investidores europeus estiveram também a digerir a recondução de Jerome Powell no cargo de liderança da Reserva Federal dos EUA, numa decisão tomada pela administração Biden. 


A grande maioria dos setores terminou o dia no vermelho, com o setor tecnológico a liderar as quedas, ao ceder 3,37%, seguido pelo imobiliário, que desvalorizou 1,95%, e pelo setor da indústria, que caiu 1,91%. 


Do lado dos ganhos, o grupo alimentar britânico Compass esteve em destaque, ao valorizar 5,64%, num dia em que apresentou as contas. A retalhista H&M também esteve em destaque, ao registar ganhos de 5,38%. Em sentido contrário, a britânica Diploma liderou as quedas, ao ceder 8,67%, em reação às contas do trimestre.


Entre os principais índices europeus, apenas a bolsa inglesa escapou a esta "maré" vermelha, fechando com ganhos de 0,15%. O PSI-20 fechou a cair 0,4%, o espanhol Ibex cedeu 0,07%, o alemão DAX caiu 1,11% e o francês CAC 40 depreciou 0,85%. A bolsa de Amesterdão cedeu 1,61% e a queda em Itália foi de 1,62%.

23.11.2021

Ouro cai abaixo dos 1.800 dólares após confirmação de Powell na Fed

A confirmação ontem de que Jerome Powell será o presidente da Reserva Federal (Fed) nos próximos quatro anos continua a penalizar o ouro, enquanto o euro recupera ligeiramente após os mínimos deste ano face à moeda norte-americana.

O metal amarelo cede 1,10%, para os 1.784,86 dólares por onça, pressionado pela subida das yields com a continuidade de Powell, visto como mais "hawkish" do que outros potenciais candidatos.

Mas a maior queda é registada na prata, com uma queda de 3,91%, para os 23,41 dólares por onça, e na platina, que cai 4,96%, até aos 963,87 dólares, perdendo o suporte dos mil dólares.

O mercado está a precificar um "tapering" por parte da Fed e uma subida das taxas de juro já em junho.

Depois de ontem ter avançado para máximos deste ano, contudo, o dólar cede algum terreno perante a moeda única europeia.

O euro ganha 0,24%, cotando nos 1,1264 dólares. 

A nota verde perde também 0,10% perante a libra estrelina, mas ganha uns ligeiros 0,05% frente ao iene.

23.11.2021

Juros da dívida portuguesa com subida acima de 8 pontos base

Os juros da dívida soberana estão a subir de forma significativa na Zona Euro. 

Nesta altura, as "bunds" germânicas, a referência na Zona Euro, estão a subir 7,2 pontos base nas obrigações com maturidade a dez anos, para -0,234%. 

Nos juros italianos a subida é ainda mais expressiva: os juros com maturidade a dez anos estão a avançar nesta altura 8,7 pontos base para 1,041%. 

Na Península Ibérica, regista-se nesta altura também um agravamento dos juros da dívida portuguesa, que estão a subir 8,4 pontos base para 0,428%. No país vizinho, os juros com maturidade a dez anos estão a avançar 8,6 pontos base para 0,500%.

23.11.2021

Recurso às reservas estratégicas abaixo do esperado anima petróleo

Os preços do "ouro negro" seguem em terreno positivo, a inverterem do abalo da notícia de que os EUA vão recorrer às suas reservas estratégicas de petróleo, em concertação com a China, Japão, Índia, Coreia do Sul e Reino Unido, na tentativa de moderar a subida das cotações.

 

No entanto, o total das reservas a que estes países irão aceder é menor do que aquilo que os mercados esperavam, pelo que os preços inverteram para a alta.

 

O West Texas Intermediate (WTI), "benchmark" para os Estados Unidos, para entrega em dezembro avança 1,59% para 77,97 dólares por barril.

 

Já o contrato de dezembro do Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e referência para as importações europeias, soma 1,86% para 81,18 dólares.

 

Os EUA vão recorrer a 50 milhões de barris das suas reservas estratégicas, 18 milhões dos quais são vendas aceleradas que já tinham sido aprovadas pelo Congresso – ao passo que os restantes 32 milhões serão disponibilizados em regime de troca, isto é, poderão regressar às reservas estratégicas nos próximos anos.

 

Já a Índia vai libertar cinco milhões de barris das suas reservas estratégicas, no que parece ser apenas um gesto simbólico, atendendo a que o país importou diariamente 4,3 milhões de barris por dia em outubro, sublinha Giovanni Staunovo, analista de matérias-primas do UBS, na análise a que o Negócios teve acesso.

 

Por seu lado, o Japão irá libertar um volume equivalente a vários dias de consumo, a China recorrerá a pelo menos 7,33 milhões de barris (segundo a consultora JLC) e o Reino Unido usará 1,5 milhões de barris. A Coreia do Sul não especificou o volume que libertará.

23.11.2021

Wall Street abre em queda com uso coordenado de reservas de petróleo

Os principais índices de Wall Street abriram sessão esta terça-feira em queda, depois de os Estados Unidos terem anunciado que vão usar as reservas estratégicas de petróleo, numa iniciativa coordenada para tentar baixar os preços dos combustíveis.

Segundo a Casa Branca, os Estados Unidos vão colocar no mercado 50 milhões de barris de petróleo, numa operação conjunta com outros países como a China, Índia, Japão, Coreia do Sul ou Reino Unido, que são alguns dos maiores consumidores do chamado "ouro negro" em todo o mundo.

Neste momento, o Dow Jones está a perder 0,14% para os 35.570,10 pontos, o S&P 500 recua 0,20% para os 4.673,80 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq Composite cai 0,63% para os 15.800,62 pontos.

A destacar-se entre as perdas está a retalhista Best Buy, que comunicou esta teraç-feira ao mercado que espera que as vendas do quarto trimestre fiquem abaixo das estimativas dos analistas, numa altura em que a empresa se prepara para os eventuais efeitos da escassez de produtos no final do ano.

Já o petróleo inverteu as perdas da manhã e está a agora de regresso aos ganhos. O Brent, que serve de referência para Portugal, está a subir 0,40% para os 77,06 dólares por barril e o norte-americano WTI (West Texas Intermediate) soma 0,74% para os 80,29 dólares.

A sessão será marcada ainda pelos ecos da recondução de Jerome Powell nos comandos da Fed, que levou a uma subida dos juros da dívida norte-americana. O anúncio da recondução surge numa altura em que a Fed se prepara para começar a retirada de estímulos devido à subida da inflação.

23.11.2021

Receio de que covid-19 penalize retoma arrastam Europa para o vermelho

As principais praças europeias estão em queda esta terça-feira. O Stoxx 600, índice que agrupa as maiores cotadas da Europa, está a desvalorizar 1,48% para 478,35 pontos, com os receios de que o aumento de casos de covid-19 penalizem a retoma económica.

A pressionar o índice está sobretudo o setor da tecnologia, que tomba em conjunto 2,78%, e o da indústria, que recua 1,85%. O setor das telecomunicações, que ontem liderou os ganhos no Stoxx 600, está agora também em terreno negativo, a cair 0,97%. 

Os investidores estão ainda a avaliar o impacto que terá a recondução do presidente da Fed, Jerome Powell, numa altura em que se fala numa retirada mais rápida de estímulos monetários à economia dos Estados Unidos. 

Por cá, o Banco Central Europeu (BCE) também já sinalizou que os estímulos de emergência aplicados devido à pandemia devem terminar em março do próximo ano. 

Nesta altura, o PSI-20 está a perder 1,17%, enquanto o espanhol IBEX desvaloriza 1,16%, o alemão DAX cai 1,42%, o francês CAC40 deprecia 1,19% e o italiano FTSE MIB tomba 1,66%.

23.11.2021

Juros da dívida na Zona Euro voltam a agravar

Os juros da dívida soberana na Zona Euro estão novamente a subir esta terça-feira. As "bunds" da Alemanha, que servem de referência na Zona Euro, estão a agravar 4,2 pontos base para -0,263%. 

Na Península Ibérica, os juros espanhóis com maturidade a dez anos estão a subir 5,9 pontos base para 0,473%. Em Portugal, verifica-se um aumento de 5,3 pontos base nos juros, para 0,397%.

Já em Itália, os juros a dez anos estão a crescer 5,8 pontos base para 1,012%. 

23.11.2021

Ouro e dólar em ligeira queda. Euro ganha terreno

O ouro está esta terça-feira a recuperar das perdas registadas, após ter sido anunciada a recondução de Jerome Powell enquanto "chairman" da Reserva Federal dos Estados Unidos.

Neste momento, o ouro a pronto (spot) está a subir ligeiramente 0,07%, com a onça a valer 1.810,30 dólares.

Nos metais preciosos, também a platina está a subir 0,31%, com o preço por onça a cair para 1.017,33 dólares, enquanto a prata perde 0,81%, para 24,17 dólares por onça.

Já o dólar norte-americano, que valorizou após o anúncio da recondução de Jerome Powell, está agora a cair. O índice do dólar, que mede a moeda dos Estados Unidos frente a um cabaz de divisas rivais, está a cair 0,12%, para 96,41, depois de ter registado a maior subida dos últimos 14 meses.

Na Europa, o euro ganha força, com uma valorização de 0,16% face à divisa norte-americana, para 1,1255 dólares. Frente à libra esterlina, o euro soma 0,12%, para 0,8397 libras.

23.11.2021

Petróleo cai com expectativas de uso coordenado de reservas estratégicas

O petróleo está a negociar em terreno negativo, pressionado pelo anúncio de que os Estados Unidos vão inicial o uso coordenado de reservas estratégicas, numa altura em que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP+) se recusa a aumentar a oferta para fazer face à procura.

Neste momento, o Brent, serve de referência para Portugal, está a cair 0,68% para os 79,16 dólares por barril, enquanto o norte-americano WTI (West Texas Intermediate) está a perder 1,01% para os 75,98 dólares.

A previsão é que os Estados Unidos anunciem ainda esta terça-feira o lançamento de uma ação coordenada com outros países, como a Coreia do Sul, Índia e o Japão, para recorrer às reservas estratégicas. Também a China está a preparar-se para fazer o mesmo.

A OPEP+ considera, no entanto, que o aumento do número de barris de petróleo no mercado é injustificado, tendo em conta a evolução da pandemia da covid-19, que pode levar a uma queda na procura.

23.11.2021

Futuros antecipam abertura das bolsas europeias em queda

Os futuros das bolsas europeias estão a negociar em terreno negativo na pré-abertura desta terça-feira, dando sinais de um prolongamento das perdas ligeiras registadas no encerramento da última sessão.

O Stoxx 50, índice que reúne as 50 maiores empresas da Europa, regista uma subida, na pré-abertura do mercado, de 0,7%.

A preocupar os investidores continuam a subida do número de casos de covid-19 na Europa e as suspeitas de que possam vir a avançar novos confinamentos gerais no continente. 

A recondução do Jerome Powell aos comandos da Reserva Federal norte-americana é outro dos temas que deverá a marcar o dia. A recondução para um segundo mandato é um sinal de continuidade no banco central em contexto de preocupação crescente com a inflação no país.

Na Ásia, as principais praças fecharam em queda. Na China, o Hang Seng perdeu 1,07% e o japonês 
o Nikkei desvalorizou 0,36%.

Ver comentários
Saber mais mercados bolsa Europa câmbio ouro juros petróleo
Outras Notícias