Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto18.11.2021

Europa desliza à boleia da banca e energia. Petróleo regista ganhos. Juros abrandam

Acompanhe aqui o dia nos mercados.

Em particular nos Estados Unidos da América, as plataformas digitais de negociação em bolsa são muito utilizadas.
  • Partilhar artigo
  • ...
18.11.2021

Praças europeias em terreno negativo com banca e setor energético a pesar

Foi uma sessão de perdas, esta quinta-feira, na Europa com os investidores a inverterem completamente o sentimento de euforia das sessões anteriores e a deixarem-se dominar pela insegurança, depois dos números da inflação na zona euro terem ultrapassado a fasquia dos 4% e com a pandemia de covid-19 a alastrar-se novamente pelo continente.

O Stoxx 600 - que agrega as principais empresas europeias - desvalorizou 0,47%, pressionado pelo setor energético e pela banca. Já por praças, Lisboa foi a que registou o maior tombo, de 1,72%, seguida de Madrid, que caiu 1,00%. As bolsas alemã, francesa e italiana também desceram, 0,19%, 0,21% e 0,56% respetivamente.

18.11.2021

Petróleo inverte para ganhos com queda do dólar

Os preços do "ouro negro" seguem em terreno positivo, animados pela depreciação do dólar – o que torna mais atrativos os ativos denominados na nota verde.

 

A tendência inverteu depois de as cotações já terem estado hoje em mínimos de seis semanas, com o mercado pressionado pelo anúncio de que a China e outras nações asiáticas irão recorrer às suas reservas estratégicas, tal como os EUA também estão a ponderar fazer.

 

O West Texas Intermediate (WTI), "benchmark" para os Estados Unidos, para entrega em dezembro avança 0,38% para 78,66 dólares por barril.

 

Já o contrato de dezembro do Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e referência para as importações europeias, soma 0,67% para 80,82 dólares.

18.11.2021

Juros da dívida voltam a recuar na Europa

A convicção crescente de que uma subida das taxas de juro nos EUA e na Zona Euro ocorrerá mais tarde do que o chegou a ser esperado permitiu um alívio das yields da dívida soberana dos países do bloco da moeda única.

Na dívida portuguesa a 10 anos, os juros aliviaram 4,6 pontos base, para 0,338%, enquanto na mesma maturidade no país vizinho o alívio foi de 5,1 pontos, para os 0,433%.

Em Itália a descida nas yields foi ainda mais acentuada: 5,9 pontos base, para os 0,913%.

Já nas "bunds", dívida alemã a 10 anos e "benchmark" do mercado, o recuo de 3,1 pontos base coloca a yield nos -0,280%.

18.11.2021

Euro ganha terreno ao dólar

Euro recua pelo segundo dia pressionado por receios de abrandamento da economia

O euro está a ganhar terreno face ao dólar, a valorizar nesta altura 0,27%, para 1,1349 dólares. A moeda única europeia está a perder terreno face ao dólar há já seis sessões consecutivas. 

A libra esterlina está a cair ligeiramente (0,06%) perante a nota verde, para 1,3479 dólares. Desta forma, a moeda inglesa interrompe a série de quatro sessões em terreno positivo. 

Ainda na Europa, o franco suíço chegou a ganhar 0,1% face ao euro, atingindo 1,0500 euros, o valor mais elevado desde 2015. A subida de casos de covid-19 na Europa, nomeadamente em países como a Alemanha, que reportou um novo recorde de infeções, está a fazer crescer a procura pelo franco suíço. "A realidade é que continuamos a ser uma moeda de refúgio", diz Andrea Maechler, membro do Swiss National Bank, à Bloomberg. 

Nesta altura, o franco suíço já eliminou os ganhos e está a ceder 0,07% face ao euro. 

Do outro lado do Atlântico, o dólar está na segunda sessão de quedas, a ceder nesta altura 0,16% perante um cabaz composto por divisas rivais.

18.11.2021

Ouro regressa a terreno negativo com comentários de membros da Fed

O ouro está novamente a negociar em terreno negativo, desta feita a desvalorizar 0,45% para 1.859,04 dólares. 

A pesar no preço do ouro estão as intervenções feitas por membros da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed). Charles Evans, de Chicago, diz estar otimista em relação à recuperação do mercado laboral no próximo ano, mas não teceu declarações sobre as alterações à política monetária. Já James Bullard, de St. Louis, instou o banco central a adotar uma política mais "hawkish". 

Com o tema da inflação no horizonte, o ouro tem sido mais procurado ao longo desta semana, continuando vários furos acima da fasquia dos 1.800 dólares por onça. 

Uma nota ainda para a prata e para o paládio, que estão também a depreciar nesta sessão.

18.11.2021

Retalho e fabricantes de "chips" brilham no arranque de sessão em Wall Street

O Dow Jones teve uma valorização de mais de 11% na terça-feira.

A "earnings season" continua a animar os índices norte-americanos, num dia em que gigantes do retalho, como a Macy’s ou a Khol’s, estão em destaque, após revelarem contas que superaram as estimativas dos analistas.Os resultados destas duas cotadas juntam-se aos resultados positivos de outras empresas do setor, que têm apresentado contas ao longo desta semana.

Nesta altura, os três principais índices norte-americanos estão divididos. O industrial Dow Jones está a cair 0,13% para 35.885,04 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,19% para 15.951,64 pontos e o S&P 500 está a subir 0,21% para 4.698,60 pontos.

A Macy’s está a valorizar 9,5% para 33,76 dólares, depois de ter chegado a disparar 11% antes da abertura do mercado. Já a Khol’s avança 4,28% para 58,98 dólares; ainda antes da abertura de Wall Street registou ganhos acima de 8%.

Além do setor do retalho, também há destaques no setor da tecnologia: a gigante Nvidia, a fabricante de "chips" mais valiosa estão a subir 10%, depois de a empresa ter subido 8% antes da abertura do mercado. A empresa bateu as estimativas dos analistas, reportando receitas de 7,10 mil milhões de dólares no terceiro trimestre, uma subida de 50% em termos homólogos.

A subida da Nvidia está a contagiar outras empresas do setor, como é o caso da Advanced Micro Devices, mais conhecida como AMD, que valoriza mais de 4% no arranque. Também a Skyworks e a Micron Technology estão a valorizar, com ganhos na ordem de 1%.

Mais expressivos são os ganhos da GlobalFoundries, que está a disparar 5,46%, na sequência de um anúncio de uma parceria com a Ford para ajudar a fabricante automóvel a aumentar a quantidade de "chips" disponíveis.

Além da "earnings season", há ainda os pedidos de subsídios de desemprego nos EUA para digerir. Na semana passada estes pedidos caíram ligeiramente para 268 mil, o valor mais baixo desde março de 2020. Há já sete semanas consecutivas que este indicador está a cair.

18.11.2021

Stoxx 600 com ganhos ligeiros com setor da energia a pressionar

O Stoxx 600, o índice que agrupa as 600 maiores cotadas da Europa, está a registar ganhos ligeiros nesta altura, avançando 0,10% para 490,37 pontos, depois de na sessão de ontem ter atingido um novo máximo histórico intradiário nos 490,45 pontos.

A maioria das cotadas do índice estão em alta, com destaque para o desempenho do setor automóvel que está a subir 0,73%. Já as empresas de petróleo e gás são cotadas das mais penalizadas, com uma desvalorização setorial de 1,32%.

O PSI-20 lidera as perdas entre os principais índices europeus, que estão a negociar sem tendência definida. A bolsa nacional está a cair 0,28%, pressionada sobretudo pela Galp Energia e pelo setor do retalho. 

Já o espanhol IBEX cai ligeiramente 0,06%. Em contraciclo, o alemão DAX valoriza 0,17% e o francês CAC 40 avança 0,18%.

18.11.2021

Juros da dívida na Zona Euro aliviam

Os juros da dívida soberana da Zona Euro estão a aliviar esta quinta-feira. As "bunds" da Alemanha, que servem de referência na Zona Euro, estão a cair 2,4 pontos percentuais para -0,273%. 

Em Portugal, os juros da dívida com maturidade a dez anos estão a aliviar 1,9 pontos percentuais para 0,365%.

Na vizinha Espanha, as "yields" com a mesma maturidade estão a ceder 1,9 pontos percentuais para 0,465% e, em Itália, estão a perder 2,9 pontos percentuais para 0,943%.

18.11.2021

Ouro corrige ganhos após subida da inflação. Euro sobe

O ouro está a negociar no vermelho, depois de ontem ter subido face aos receios dos investidores com a aceleração da inflação nos Estados Unidos e na Europa.

Com os investidores à procura de ativos de refúgio face à incerteza sobre a inflação, o metal precioso está a somar agora 0,16% para 1.864,55 dólares por onça no mercado londrino.

O dólar norte-americano, moeda em que é negociado o ouro, está também em queda. O índice do dólar, que compara a moeda com um conjunto de divisas rivais, está a cair 0,15%.

Enquanto isso, o euro ganha força. A moeda única europeia está a subir 0,16% para 1,1337 dólares, enquanto permanece inalterada face à libra esterlinas, nas 0,8391 libras.

18.11.2021

Petróleo prolonga quedas com China a ponderar usar reservas estratégicas

O petróleo está a negociar em terreno negativo, prolongando as perdas da sessão de ontem. O "ouro negro" está a sofrer esta quinta-feira com novo revés, depois de a China ter anunciado que está a pensar usar reservas estratégicas de petróleo para controlar os preços, tal como os Estados Unidos.

A China convidou ainda os Estados Unidos a participarem numa venda conjunta. Por enquanto, ainda não é claro se as autoridades chinesas estão a fazer isso em resposta ao pedido de Washington, numa cimeira virtual, no início desta semana, entre os dois países.

Neste momento, o Brent, negociado em Londres e que serve de referência para Portugal, está a desvalorizar 0,62% para os 79,78 dólares por barril, enquanto o norte-americano WTI (West Texas Intermediate) está a cair 0,96% para os 77,61 dólares.

Os alertas da Agência Internacional da Energia (AIE) e de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para o iminente excesso de oferta com o aumento dos casos de covid-19 na Europa estão também a pressionar sobre os preços da matéria-prima.

18.11.2021

Futuros da Europa apontam para abertura em queda

Os futuros das bolsas europeias estão a negociar em terreno negativo na pré-abertura desta quinta-feira, ainda a digerir os mais recentes dados da inflação na Zona Euro e União Europeia, que voltou a subir pelo quarto mês consecutivo e a ultrapassar a barreira dos 4%.

Na pré-abertura, o Stoxx 50, índice que reúne as 50 maiores empresas da Europa, regista uma perda muito ligeira de 0,03%, depois de o Stoxx 600, que agrega as principais empresas do continente, ter registado novos máximos de fecho nos 490,10 pontos.

A pressionar as bolsas deverão continuar os receios face ao aumento dos casos de covid-19 na Europa e os receios de que a inflação não seja "temporária" como sugerem os bancos centrais.

Já as bolsas asiáticas fecharam em baixa. O índice japonês Topix encerrou a sessão a cair 0,14% e o Nikkei desvalorizou 0,30%.

Ver comentários
Outras Notícias