Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

A semana em oito gráficos: PSI-20 completou maior ciclo de quedas deste ano

As bolsas mundiais viveram uma semana negativa, sobretudo à conta das incertezas em torno da guerra comercial entre os EUA e a China.

Guerra comercial arrasta bolsas dos dois lados do Atlântico

Guerra comercial arrasta bolsas dos dois lados do Atlântico

As incertezas sobre o futuro próximo, muito devido ao impasse em torno da guerra comercial entre os EUA e a China minaram a confiança dos investidores e isso foi bem visível no desempenho das bolsas. A semana foi de perdas generalizadas nas praças bolsistas mundiais, com a alemã a ser a que mais perdeu. O português PSI-20 esteve do outro lado, tendo sido o que menos caiu.

PSI-20 completa o maior ciclo de quedas semanais de 2019

PSI-20 completa o maior ciclo de quedas semanais de 2019

A queda semanal do PSI-20 não foi acentuada, tendo sido inferior a 0,5%, contudo foi significativa. Isto porque foi a quarta semana consecutiva de perdas, o que ainda não tinha acontecido este ano. A última sessão da semana até foi positiva para a bolsa nacional, com o índice a recuperar de mínimos de janeiro.

Desconto de dividendos pesa na bolsa

Desconto de dividendos pesa na bolsa

Uma das questões que mais pesou na negociação bolsista desta semana foi o desconto dos dividendos. Apesar de se tratar de um ajuste apenas técnico, o efeito é sentido no desempenho das ações. Assim, a Sonae Capital foi a cotada que mais cedeu, na semana em que descontou o dividendo de 7,4 cêntimos por ação o que, no dia em que ajustou, correspondia a uma descida de 8,5%. A Nos e a REN foram as restantes cotadas que descontaram dividendo.

Tecnológicas e setor automóvel foram os mais pressionados

Tecnológicas e setor automóvel foram os mais pressionados
As cotadas que mais caíram na semana na Europa foram as que estão mais expostas à guerra comercial. Em causa estão as tecnológicas e as fabricantes automóveis, como o caso da Fiat Chysler, num ambiente de grande incerteza em relação ao futuro das tarifas comerciais. 

Kohl’s penaliza S&P 500

Kohl’s penaliza S&P 500
A retalhista norte-americana Kohl’s afundou 19,84% esta semana, tendo sido o título do Standard & Poor’s 500 que mais terreno perdeu, depois de rever em baixa as suas perspetivas anuais e ter reportado vendas trimestrais abaixo das estimativas dos analistas. À conta da especial pressão sobre o setor tecnológico esta semana, muitas cotadas destas áreas de negócio, como as dos semicondutores, negociaram em baixa. O mesmo aconteceu com os títulos da energia, devido às fortes quedas dos preços do petróleo, especialmente na quinta-feira, devido ao aumento das reservas norte-americanas de crude.

Libra recupera na última sessão da semana

Libra recupera na última sessão da semana
A moeda britânica ganhou terreno face à moeda única europeia na sexta-feira, pela primeira vez em 14 sessões. Isto num dia em que a libra esterlina chegou a descer a um mínimo de 21 de janeiro, na sequência de uma queda de 0,19 para os 1,1299 euros. Com o anúncio formal da demissão de Theresa May, o que levará a que o processo de sucessão comece na próxima semana, a libra conseguiu recuperar algum fôlego. Já a moeda única europeia valorizou face ao iene e ao dólar, numa semana em que as tensões comerciais voltaram a fragilizar a nota verde.

Petróleo com maior queda semanal desde janeiro

Petróleo com maior queda semanal desde janeiro
As cotações do "ouro negro" registaram a pior semana do ano, tendo marcado a terceira semana consecutiva de perdas. A pesar no desempenho da matéria-prima estiveram as tensões EUA-China, que intensifica os receios de uma diminuição da procura, bem como o aumento inesperado dos inventários norte-americanos de crude.

Juros portugueses abaixo de 1%

Juros portugueses abaixo de 1%
Os juros da dívida portuguesa a dez anos recuaram esta semana, tendo-se fixado na negociação intradiária de quinta-feira abaixo de 1% pela primeira vez – e marcado na sexta-feira um novo mínimo histórico nos 0,971%. Nos restantes países europeus, os juros das obrigações soberanas também aliviaram de forma generalizada. As obrigações estão a beneficiar do momento de perturbação nos mercados de capitais, servindo de refúgio aos investidores.
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O impasse nas negociações comerciais os Estados Unidos e a China e o endurecimento do tom de Washington para com Teerão, numa altura em que os EUA reforçaram as sanções às exportações petrolíferas do Irão, pressionaram esta semana os mercados mundiais.

 

Mas o que mais contribuiu para o clima de incerteza, intensificando o nervosismo dos investidores, foi o corte de relações com a chinesa Huawei por parte das suas fornecedoras norte-americanas – isto depois de Donald Trump ter decidido na semana passada proibir as exportações de produtos tecnológicos norte-americanos para determinadas empresas consideradas de "risco", tendo em vista nomeadamente a Huawei.

 

Depois de a Google ter anunciado que ia suspender os negócios com a Huawei, não demorou muito até outras fabricantes dos EUA seguirem os mesmos passos, no âmbito da ordem executiva da Administração Trump de proibir as empresas norte-americanas de fornecerem aquela empresa chinesa (e outras) sem uma licença do governo dos Estados Unidos. Esta decisão penalizou fortemente o setor tecnológico em bolsa.

 

O Departamento do Comércio dos Estados Unidos anunciou entretanto na terça-feira que irá conceder um prazo de três meses para que as empresas norte-americanas continuem a negociar com a Huawei, permitindo-lhes manter, para já, as redes e equipamentos existentes, bem como as atualizações de software – e foi este anúncio que fez hoje virar o sentimento dos investidores depois das quedas em Wall Street no arranque da semana.

 

Mas foi sol de pouca dura, pois na quarta-feira foi avançado que o governo dos Estados Unidos estaria a ponderar aplicar restrições semelhantes a mais cinco tecnológicas chinesas, entre as quais a fabricante de equipamentos de videovigilância Hikvision, o que deverá agravar ainda mais as tensões entre os dois países.

 

Na quinta-feira à noite, já depois do fecho de Wall Street, Trump disse que o destino da chinesa Huawei pode ser discutido no contexto das relações comerciais com Pequim, o que levou a que as bolsas recuperassem na última sessão da semana. Não foi, contudo, suficiente para um saldo semanal positivo.

 

Por cá, o PSI-20 completou o maior ciclo de descidas deste ano.

 

Já nas matérias-primas, o petróleo marcou a pior semana de 2019.

Ver comentários
Saber mais Google Estados Unidos China Washington Donald Trump Teerão Huawei Irão Administração Trump Departamento do Comércio dos Estados Unidos Wall Street Hikvision bolsa PSI-20
Outras Notícias