Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Como o efeito DBRS se pode reflectir nos juros de Portugal

A DBRS manteve a dívida portuguesa dentro do radar do BCE. A decisão era já antecipada pelo mercado, mas deverá ter um impacto favorável nos juros das obrigações nacionais.

Rui Barroso ruibarroso@negocios.pt 24 de Outubro de 2016 às 06:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

O suspense acabou. Pelo menos por agora. A DBRS, a única agência de "rating" que mantém a dívida portuguesa no radar das compras do BCE, manteve na passada sexta-feira a notação de Portugal em BBB (baixo), um grau acima do nível visto como "lixo" pelos mercados. E continua com  perspectiva estável.

Após alguns focos de incerteza, nas últimas sessões a decisão aparentava já estar a ser descontada pelo mercado. Havia, no entanto, alguma  incerteza sobre se a DBRS iria baixar a perspectiva. Após o veredicto da agência ter dissipado, pelo menos nos próximos meses, as dúvidas sobre a elegibilidade da dívida nacional para as operações no BCE, qual poderá ser o efeito nos juros?


Alívio... mas pouco

Antes da DBRS ter divulgado a decisão, os analistas faziam contas sobre qual o impacto que a manutenção do "rating" poderia ter nas taxas das obrigações nacionais.

O Commerzbank recomendava, numa nota aos clientes, um posicionamento para uma descida da taxa a dez anos para 2,8%. Já os analistas do Crédit Agricole apontavam para um impacto favorável  de 20 pontos base na taxa na dez anos, o que se poderá traduzir numa descida da "yield" dos actuais 3,192% para cerca de 2,99%.

Apesar de anteciparem um alívio, o efeito DBRS poderá ser de curto prazo. O Crédit Agricole alertou que  a dívida nacional arrisca a ser alvo nos próximos trimestres de uma incerteza semelhante à das últimas semanas. Isto à medida que se aproximar a nova revisão da agência canadiana, que poderá ocorrer dentro de aproximadamente seis meses.

E apesar de ter deixado o "rating" inalterado, a agência fez alguns alertas sobre Portugal. Nichola James disse ao Negócios que vê como negativo "a ausência de reformas estruturais". Do lado positivo,  a co-responsável pela análise de "ratings" soberanos da DBRS sublinhou a trajectória de redução do défice.

No relatório sobre Portugal, a agência mostrava ainda algumas preocupações sobre o baixo potencial de crescimento da economia e o nível  elevado do rácio de dívida sobre o PIB. Pedia também mais acção no corte da despesa e mostrava dúvidas sobre se a solução governativa permitiria tomar medidas duradouras nesse sentido.

Ultrapassado mais um teste da DBRS, o IGCP tenta aproveitar esse efeito. A entidade liderada por Cristina Casalinho anunciou, alguns minutos antes da divulgação da decisão da DBRS, um leilão de obrigações do Tesouro (OT) para esta quarta-feira. O Tesouro conta angariar entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros, naquela que poderá ser uma das últimas operações de financiamento de OT do ano.

Ver comentários
Saber mais DBRS rating obrigações dívida pública BCE IGCP Cristina Casalinho Mário Centeno
Mais lidas
Outras Notícias