Obrigações Cristina Casalinho: “Dificilmente faremos outra emissão de OTRV este ano”

Cristina Casalinho: “Dificilmente faremos outra emissão de OTRV este ano”

A presidente do IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública considera que “dificilmente” haverá nova emissão de OTRV, como acontece habitualmente em Novembro. Apesar de não fechar a porta a uma operação, afirma que o programa para este ano já foi cumprido.
Cristina Casalinho: “Dificilmente faremos outra emissão de OTRV este ano”
Pedro Elias
Rita Atalaia 15 de novembro de 2018 às 11:22

Cristina Casalinho, presidente do IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, afasta, à partida, uma nova emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), sendo esta a primeira vez que a entidade não deverá emitir em Novembro, como tem acontecido desde que este produto de poupança do Estado foi lançado em Março de 2016.

 

"As OTRV estão encerradas. Já cumprimos o programa para este ano", começou por explicar Cristina Casalinho em declarações à margem da segunda edição do "M&A Outlook", organizada pela Mergermarket em Lisboa.

Por isso, "dificilmente" o IGCP realizará outra operação. "Não podemos dizer que as portas estão fechadas, mas vemos com pouca probabilidade a realização de uma nova emissão de OTRV", disse a presidente da agência responsável pela gestão da dívida pública. Nos anos anteriores, a agência realizou emissões no final do ano para aproveitar a maior disponibilidade financeira das famílias, já que é quando recebem o subsídio de Natal.

 

A primeira, e única, operação deste ano realizou-se em Julho. A procura pelas OTRV atingiu 1,753 mil milhões de euros, um valor que se situou 75% acima do montante da emissão, que totalizou mil milhões de euros. 

 

Apesar de a taxa de remuneração ter sido fixada no valor mais baixo de sempre (1% em termos brutos), este produto de poupança do Estado continua a atrair um forte interesse por parte dos portugueses.

secretário de Estado das Finanças já tinha afirmado, numa entrevista ao Eco, que a colocação de produtos de dívida pública no retalho "tem sido um enorme sucesso". Ricardo Mourinho Félix disse ainda que "estes produtos são para continuar e certamente que em 2019 faremos mais uma emissão de OTRV".


Emissão de dívida "reflecte subida do rating"

Relativamente à emissão de dívida realizada por Portugal na quarta-feira, quando o país pagou menos para se financiar, Cristina Casalinho afirma que "foi um bom leilão e que teve boa procura". "As taxas saíram abaixo das do mercado secundário", notou a responsável pelo IGCP.

 

Este resultado, referiu Casalinho, reflecte "também o facto de Portugal, ao longo dos últimos 18 meses, ter vindo a registar significativas melhorias de rating". 

 

"Vimos que o primeiro sinal do impacto da melhoria do rating foi quando a S&P em Abril, antes de fazer o upgrade, melhorou a perspectiva e já aí começámos a ver um fenómeno de maior envolvimento dos investidores que estão mais sensíveis à questão do rating. Depois com o upgrade da parte da S&P, em Setembro do ano passado, aí o efeito foi muito notório com a compressão dos spreads que foi bastante evidente", referiu ainda. 

Cristina Casalinho aproveitou ainda para afastar qualquer impacto da tensão em Itália na gestão da dívida pública nacional. Para a presidente do IGCP, "os países ibéricos têm evidenciado um comportamento distanciado do que se tem vindo a observar em Itália", com "Portugal a transacionar muito próximo de Espanha".

"A ligação a Itália tem vindo a ser de alguma forma esmorecida. A ideia que existe no mercado é que a Itália será um fator idiossincrático e que tenderá a não ter ramificações ou efeitos de contágio muito significativos", referiu no evento organizado pela Mergermarket.

 

Reembolso ao FMI? "Estamos em negociações"

Esta emissão também contribuiu para reembolsar o que o país ainda deve ao FMI. "Estão a decorrer as negociações relativas à possibilidade de reembolsar antecipadamente também parte da tranche mais barata e é nesse sentido que estamos a trabalhar. O leilão de ontem já será orientado para essa necessidade", referiu Cristina Casalinho.

 

"Já pagámos 83%. Pagámos a tranche mais cara. Já tínhamos cumprido o programa de financiamento em termos de emissões de médio e longo prazo para este ano", disse ainda a presidente da entidade. 




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI