Obrigações Deutsche Bank notifica mercado sobre impacto do evento de crédito nos produtos da PT

Deutsche Bank notifica mercado sobre impacto do evento de crédito nos produtos da PT

O banco alemão notificou o mercado sobre o evento de crédito na PT/Oi, que terá repercussões em 11 produtos estruturados com dívida da antiga Portugal Telecom.
Deutsche Bank notifica mercado sobre impacto do evento de crédito nos produtos da PT
Rui Barroso 27 de julho de 2016 às 13:42

O Deutsche Bank notificou o mercado de que ocorreu um evento de crédito que terá repercussões em vários produtos estruturados que montou sobre dívida da antiga Portugal Telecom. A comunicação surge após o Comité de Decisões da Associação Internacional de Swaps e Derivados (ISDA) ter definido a 1 de Julho que o pedido de recuperação judicial da Oi, que garantia a dívida da antiga PT, constituía um evento de crédito.

Esta decisão da ISDA tem consequência em produtos estruturados que foram montados com as obrigações da antiga PT como subjacente. No caso do Deutsche Bank, a sucursal do banco alemão em Portugal fez a notificação aos detentores de 11 produtos diferentes que tinham obrigações da Portugal Telecom International Finance (PTIF) como subjacentes, desde "credit linked notes", até cabazes com dívida de várias empresas portuguesas, entre as quais as da antiga PT. Este é o primeiro passo para fazer o reembolso antecipado nos produtos que tinham essa possibilidade prevista.

As repercussões do evento de crédito diferem de produto, podendo levar a perdas de mais de 80% ou a terem um impacto reduzido no valor desses instrumentos. Nos "credit linked notes" sobre dívida da PT com maturidade em 2020, por exemplo, levam ao reembolso antecipado desses instrumentos. O valor da amortização antecipada tem como referência o valor de mercado das obrigações, segundo a documentação desse produto. No mercado, essas obrigações negoceiam a 20,5% do valor nominal. Neste caso poderão ser ainda deduzidos os custos de desmontagem do produto, que serão fixados pelo agente de cálculos que, neste caso, é o próprio Deutsche Bank. Noutros produtos o valor do reembolso é o que foi definido num leilão da ISDA, que ficou em 20% do valor nominal das obrigações.

No entanto, há também outro tipo de estruturados em que o risco da dívida da antiga PT foi vendido. É o caso de produtos, também comercializados pelo Deutsche Bank, que têm como activo subjacente obrigações de mais empresas. Nestes, as perdas poderão ir até um terço ou 20% do montante aplicado, dependendo do número de entidades de referência que integram esse cabaz de título que serviram para montar o produtos, segundo uma análise da Deco Proteste. Mas também existem diferenças, já que há produtos que apenas infligem perdas se mais do que uma das entidades de referência entrar em incumprimento.

Nas notificações divulgadas no site da CMVM, o Deutsche Bank recomenda os detentores deste tipo de produtos que contactem os "habituais consultores financeiros" para obterem mais informações. Um dos "credit linked notes" vendidos pelo Deutsche Bank, que tinha como referência apenas dívida da antiga PT, será reembolsado antecipadamente a 3 de Agosto. Além do Deutsche Bank, também o antigo BESI e o Barclays montaram produtos estruturados com dívida da antiga PT.

Já a Deco aconselha a "verificar a documentação do produto, porque as consequências de um evento de crédito na PTIF não serão iguais para todos".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI