Obrigações Empréstimo do Santander ao Estado foi para "responder ao desafio"

Empréstimo do Santander ao Estado foi para "responder ao desafio"

Este é um dos esclarecimentos que o banco liderado por Vieira Monteiro faz esta quinta-feira, num comunicado em que explica que o empréstimo de 1.766 milhões de euros ocorreu apenas a 22 de Fevereiro.
Empréstimo do Santander ao Estado foi para "responder ao desafio"
Pedro Elias/Negócios
André Tanque Jesus 25 de fevereiro de 2016 às 15:11

No âmbito da venda do Banif, o Santander acordou com o Governo comprar dívida pública. Uma operação que ascendeu a 1.766 milhões de euros, tal como o Negócios noticiou.

O banco liderado por Vieira Monteiro avança que a operação foi feita esta segunda-feira, 22 de Fevereiro. "A data escolhida (22 de Fevereiro e não 9 ou 10 como é dito em notícia hoje publicada pelo Jornal de Negócios) foi indicada ao Banco pelo IGCP no dia 19 de Fevereiro", especifica em comunicado o Santander Totta, acrescentando que a operação foi encerrada às 10:00 desse dia. 

Tal como já tinha confirmado ao Negócios, o banco explica que havia sido "acordado com o Santander Totta" a aquisição de dívida pública, "no âmbito das medidas de capitalização para correcção do balanço do Banif imediatamente anteriores à medida de resolução e à venda de activos e passivos".

Mas a instituição acrescenta que "ao aceitar fazer isto, o Santander Totta pretendeu apenas responder positivamente ao desafio que lhe foi feito de contribuir para diminuir o esforço de financiamento do Estado". Até porque, acrescenta o comunicado, "o simples facto de passar a deter estes títulos implica que banco consuma capital em suporte dessa mesma detenção".

Entre os dias 9 e 10 de Fevereiro, a taxa de juro da dívida soberana portuguesa a 10 anos negociou entre 3,6% e 3,7%. Um valor ligeiramente superior aos 3,4% registados no final da sessão de 22 Fevereiro.


(Notícia actualizada às 15:18, com mais informação)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI