Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

IGCP marca leilão para obter até mil milhões com obrigações do Tesouro

Já estava previsto no programa de financiamento que fosse realizado mais um leilão de dívida de longo prazo neste trimestre. O IGCP avança na última semana de Novembro com títulos a 10 anos.

Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Moutinho 20 de Novembro de 2015 às 16:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) vai realizar o último leilão de obrigações do Tesouro deste ano na próxima semana. Agendou para quarta-feira, 25 de Novembro, uma emissão a 10 anos com a qual pretende obter um financiamento até mil milhões de euros.

"O IGCP vai realizar no próximo dia 25 de Novembro pelas 10:30 horas um leilão da OT com maturidade em Outubro de 2025 (OT 2.875% 15out2025), com um montante indicativo entre 750 milhões e 1.000 milhões", refere o comunicado emitido pela agência liderada por Cristina Casalinho.


Esta semana Portugal foi ao mercado obter 1.500 milhões de euros com bilhetes do Tesouro, num leilão duplo em que contou com taxas negativas. Isto apesar de no mercado secundário as taxas dos títulos com maturidade mais longa continuarem a transaccionar em níveis superiores aos anteriores às eleições legislativas.


Depois da escalada, contudo, os juros aliviaram fortemente na última semana. Mesmo num contexto de impasse político, a crescente expectativa de que Mario Draghi, presidente do BCE, avance com novos estímulos à economia permitiu que a taxa a 10 anos caísse para 2,48% (subiu três ponto nesta última sessão). O prémio de risco face à Alemanha está abaixo dos 200 pontos base (199 pontos).


Emissão prevista

Este leilão de obrigações do Tesouro será o segundo deste trimestre, devendo ser o último do ano. "No próximo trimestre, o IGCP prevê a realização de um a dois leilões de OT, sendo esperadas colocações de 750 a 1.000 milhões de euros por leilão", referia o programa de financiamento do IGCP para os últimos três meses deste ano.


Já tinha realizado um leilão duplo em meados de Outubro, já após as eleições, a 10 e 22 anos. No prazo a 10 anos conseguiu, à data, uma taxa de juro de 2,3975%, ao passo que a dívida que vence em 2037 registou uma taxa de 3,2336%. Tanto estes leilões como o agora será realizado permitem colmatar a ausência do encaixe dos 3.900 milhões com o Novo Banco.


(Notícia actualizada às 16:47 com mais informação sobre a operação de financiamento)

Ver comentários
Saber mais dívida BCE obrigações Maria Luís Albuquerque Finanças IGCP Cristina Casalinho
Outras Notícias