Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juros da dívida portuguesa a dez anos abaixo de 3%

A negociar abaixo de 3%, a "yield" a dez anos cai pela quarta sessão. Isto numa sessão positiva, a beneficiar do acordo entre a Grécia e os credores. Também em queda está o prémio de risco de Portugal.

Miguel Baltazar/Negócios
André Tanque Jesus andrejesus@negocios.pt 25 de Maio de 2016 às 11:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

Os juros da dívida soberana portuguesa estão novamente em queda esta terça-feira, 25 de Maio. Recuam em todas as maturidades, sendo que a taxa a dez anos cai para menos de 3%. Está no valor mais baixo desde 5 de Abril, numa sessão em que o mercado da Zona Euro beneficia do acordo entre a Grécia e os seus credores. Também em mínimos está o prémio de risco de Portugal.

Pela quinta sessão consecutiva em queda, a taxa de juro das obrigações a dois anos está, desta feita, a recuar 2,3 pontos para 0,483%. Uma tendência também registada na maturidade a cinco anos, na qual a "yield" cai 7,1 pontos para 1,701%. Mais relevante é a taxa a dez anos, que está novamente abaixo de 3%. A "yield" recua, actualmente, 4,0 pontos para 2,991%, naquela que é a quarta sessão consecutiva de quedas.

A tendência é de quedas em toda a Zona Euro. Os juros de Espanha e Itália recuam esta quarta-feira, uma tendência igualmente registada na "yield" da Alemanha a dez anos. Cai 1,0 pontos para 0,167%, levando o prémio de risco de Portugal a recuar para 282,4 pontos, um mínimo de 4 de Abril.

Isto numa sessão em que também os juros da Grécia recuam com o acordo anunciado pelo Eurogrupo, de que irá desembolsar mais 10,3 mil milhões de euros a Atenas. "A ajudar ao sentimento positivo esteve a decisão do Eurogrupo", referem os analistas do RBC Capital Markets, "concluindo que as autoridades gregas fizeram o que era necessário para assegurar a próxima tranche de financiamento".

Para o desfecho positivo contribuíram várias cedências, nomeadamente do Fundo Monetário Internacional (FMI). A entidade liderada por Christine Lagarde exigia uma reestruturação da dívida helénica, posição rejeitada pelos países europeus. Apesar das divergências, o FMI irá também participar neste programa. A discussão sobre a reestruturação da dívida ficou adiada para 2018.

Ver comentários
Saber mais juros da dívida dívida portuguesa Grécia Portugal Espanha Itália Alemanha prémio de risco taxas de juro obrigações mercados
Outras Notícias