Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juros da dívida portuguesa sobem pela primeira vez em três sessões

A 'yield' associada à dívida portuguesa a 10 anos sobe quase 7 pontos base para 2,351%, acompanhando o agravamento que se verifica por toda a Europa, em dia de reunião do Eurogrupo em Bruxelas.

Rita Faria afaria@negocios.pt 11 de Maio de 2015 às 11:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

Os juros da dívida portuguesa estão em alta esta segunda-feira, 11 de Maio, pela primeira vez em três sessões, acompanhando as subidas que se verificam por toda a Europa.

 

A ‘yield’ associada à dívida portuguesa a cinco anos sobe 2,4 pontos para 1,063% enquanto os juros das obrigações a 10 anos avançam 6,8 pontos base para 2,351%.

 

Além dos juros, também a percepção de risco de Portugal está a subir. Quer isto dizer que o prémio de risco que os investidores estão a exigir para comprar dívida portuguesa em detrimento da alemã (o chamado "spread") está mais alto, avançando esta segunda-feira para 173,5 pontos base.

 

Esta evolução, que é comum à maioria dos países europeus, acontece no dia em que os ministros das Finanças da Zona Euro estão reunidos em Bruxelas, com o tema da Grécia a dominar a agenda do encontro.

 

O Banco Central Europeu (BCE) já ameaçou encolher a linha de crédito aos bancos gregos caso não seja alcançado um acordo. Contudo, vários protagonistas, incluindo o ministro das Finanças de Atenas, Yanis Varoufakis, já afirmaram que será difícil concretizar um acordo neste Eurogrupo. Amanhã termina o prazo para o reembolso de mais uma tranche ao FMI, e os investidores estão cada vez mais receosos de que Atenas comece a falhar os seus compromissos.

 

Em Espanha, os juros associados à dívida a 10 anos sobem 6,8 pontos base para 1,733%, enquanto em Itália, no mesmo prazo, o agravamento é de 6,5 pontos base para 1,741%.

 

Na Alemanha, a ‘yield’ associada às obrigações a 10 anos avança 4,1 pontos base para 0,588%. No caso da Grécia, o agravamento é mais ligeiro: 3,6 pontos base para 10,706%. 

Ver comentários
Saber mais Portugal Bruxelas Grécia Banco Central Europeu Atenas Yanis Varoufakis Itália Espanha Alemanha mercado de dívida
Mais lidas
Outras Notícias