Obrigações Portugal coloca mais dívida de curto prazo que o previsto e com juros negativos

Portugal coloca mais dívida de curto prazo que o previsto e com juros negativos

O IGCP conseguiu colocar mais dívida que o pretendido. E apesar da tensão nos mercados, o juro no prazo a seis meses foi negativo.
Portugal coloca mais dívida de curto prazo que o previsto e com juros negativos
Miguel Baltazar
Rui Barroso 20 de janeiro de 2016 às 10:51

O Estado conseguiu colocar esta quarta-feira, 20 de Janeiro, 1,8 mil milhões de euros no leilão de bilhetes do Tesouro a seis e a 12 meses, segundo o IGCP. O valor é superior ao montante indicativo para a operação que ia até 1,5 mil milhões de euros.


No prazo a seis meses o montante colocado foi de 550 milhões de euros, com uma taxa média ponderada de -0,013%. O Estado conseguiu manter os juros negativos nesta maturidade. Na última operação comparável, realizada em Novembro, o juro foi de –0,018%. A procura pelos títulos a seis meses superou em 2,35 vezes a oferta. Em Novembro, este rácio tinha sido de 2,72 vezes.


Já na maturidade a 12 meses, o montante colocado foi de 1,25 mil milhões de euros, com uma taxa média ponderada de -0,001%. Em Novembro, o Estado havia pago -0,006%. Nessa altura a procura excedeu em 1,63 vezes a oferta. Na operação desta quarta-feira, o rácio foi de 2,18 vezes.

Apesar da turbulência que se tem vivido nos mercados, a agência que gere o crédito público, o IGCP, colocou mais dívida que o previsto no primeiro leilão de bilhetes do Tesouro de 2016. No plano de financiamento da República, anunciado no início do ano, a agência liderada por Cristina Casalinho indicava que neste leilão pretendia obter entre mil milhões e 1,25 mil milhões de euros. No entanto, na passada sexta-feira o IGCP aumentou o montante indicativo para entre 1,25 mil milhões e 1,5 mil milhões de euros. Acabaria por colocar 1,8 mil milhões de euros.

"Apesar de um início de ano muito negativo quer para os mercados de acções, quer para os mercados de obrigações de empresas, o mercado de dívida soberana continua protegido pelo BCE e pelo plano de compra de activos", observa Filipe Silva.


Na semana passada, o Estado tinha já dado um passo importante para o financiamento deste ano, ao obter quatro mil milhões de euros numa emissão sindicada de obrigações do Tesouro a dez anos. 


(Notícia actualizada com mais contexto e citações às 11:24)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI