Obrigações Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas

Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas

Portugal emitiu dívida a seis e a doze meses, tendo-se financiado em 1,5 mil milhões de euros, num duplo leilão. A procura diminuiu.
Portugal emite dívida de curto prazo a taxas ainda mais negativas
Bruno Simão
Tiago Varzim 17 de julho de 2019 às 10:39
Esta quarta-feira, 17 de julho, o IGCP foi ao mercado a realizar um duplo leilão de dívida de curto prazo, tendo angariado 1,5 mil milhões de euros. Portugal conseguiu taxas ainda mais negativas a seis e a doze meses, mas a procura diminuiu face ao leilão anterior comparável.

A doze meses, a agência que gere a dívida pública emitiu mil milhões de euros com um juro de -0,43%, o que representa uma taxa mais negativa face ao último leilão igual. A procura foi 1,64 vezes superior à oferta, segundo os dados da Bloomberg.

Já a seis meses, a entidade liderada por Cristina Casalinho (na foto) emitiu 500 milhões de euros com um juro de -0,454%, o que também representa uma taxa mais negativa face ao último leilão igual. A procura foi 1,94 vezes superior à oferta, segundo os dados da Bloomberg.

Na última vez que fez uma emissão semelhante, o IGCP conseguiu colocar mil milhões de euros a um ano com um juro de -0,37%, tendo a procura sido 2,29 vezes superior à oferta, e 500 milhões de euros a seis meses com um juro de -0,396%, tendo a procura sido 2,62 vezes superior à oferta. 

"Voltamos a estabelecer um mínimo histórico em ambos os leilões, numa altura em que temos assistido a descidas globalizadas em toda a dívida soberana Europeia", começa por referir o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, numa análise ao leilão.

"No seu último discurso, Mario Draghi reiterou que as taxas iriam manter-se nos níveis atuais pelo menos até ao primeiro trimestre de 2020. O BCE ainda continua a desempenhar um papel muito importante no mercado de dívida tendo sido o responsável pelos níveis atuais de taxas de juro e para já esta intervenção será para continuar", antecipa Filipe Silva.

Na semana passada, o IGCP foi ao mercado emitir obrigações do Tesouro a 10 anos e conseguiu a taxa mais mais de sempre (0,51%). Nesse altura, no mercado secundário, os juros a dez anos da dívida portuguesa chegaram a negociar abaixo dos 0,3%. Entretanto, a "yield" tem vindo a subir, chegou a estar no patamar dos 0,6% mas voltou aos 0,5%.

No terceiro trimestre, o instituto prevê emitir obrigações do Tesouro e realizar três duplos leilões de bilhetes do Tesouro até um total de quatro mil milhões de euros.

(Notícia atualizada às 11h41 com as declarações de Filipe Silva)



pub

Marketing Automation certified by E-GOI