Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Prémio da dívida portuguesa face à espanhola perto de mínimo de oito anos

Os juros da dívida portuguesa entregam agora um prémio de cerca de 30 pontos base em relação à dívida espanhola, uma situação que, antes de 2018, só que tinha verificado em 2010. O BBVA acredita que o spread ainda tem margem para abater.

Ana Batalha Oliveira anabatalha@negocios.pt 26 de Novembro de 2018 às 10:31
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão num nível tão próximo dos espanhóis como já não se via há cerca de oito anos. E, de acordo com as previsões do BBVA, a tendência é para continuar.

A taxa de remuneração da dívida portuguesa segue esta segunda-feira a aliviar 3,5 pontos base para os 1,907%. Os juros da vizinha Espanha situam-se nos 1,605%, na sequência de uma quebra de 2,7 pontos base. O spread da dívida portuguesa face à espanhola coloca-se desta forma nos 30,2 pontos base, um nível do qual já baixou no início deste ano e que, antes de 2018, a última vez que foi atingido foi no início de 2010.

Este diferencial representa o prémio de risco adicional que os investidores exigem para investir em dívida portuguesa em detrimento da espanhola.

Evolução do spread da dívida portuguesa face à espanhola desde 2009

Os juros da respectiva dívida dos dois países ibéricos chegaram a estar à distância de mais de 12 pontos pontos percentuais, em Janeiro de 2012. Nessa altura, a taxa das obrigações portuguesas a 10 anos atingiu um pico de 18,289%.

Segundo um analista do BBVA, citado pela Bloomberg, este spread deverá continuar a baixar tendo em conta o crescimento económico que está previsto para Portugal, e aponta a estabilidade política como um factor a aumentar a procura da dívida.

Os juros a pagar pela dívida portuguesa têm vindo a baixar. O último marcado motivo de alívio foi a decisão da Moody’s de retirar as obrigações portuguesas do "lixo". Do grau mais alto do nível especulativo, o Ba1, Portugal passou para o Baa3, o degrau mais baixo do patamar de investimento de qualidade, com uma perspectiva estável.

A Moody’s foi assim a primeira das grandes agências de notação financeira a colocar Portugal no lixo e a última a retirá-lo desse nível. A Standard & Poor’s foi a primeira a elevar o rating da dívida, em Setembro de 2017, e seguiu-se a Fitch, a 15 de Dezembro do mesmo ano.

O spread da dívida portuguesa face à alemã, que é o "benchmark" na Europa, está esta segunda-feira em 154 pontos base. Historicamente Portugal também tinha um spread face a Itália, mas a crise orçamental no país levou os juros italianos para um nível supeiror ao de Portugal.

Ver comentários
Saber mais BBVA Fitch Espanha Bloomberg Portugal Ba1 Moody’s Baa3 Standard & Poor economia negócios e finanças macroeconomia mercado de dívida
Mais lidas
Outras Notícias