Obrigações Risco da dívida com maior série de quedas em mais de um ano

Risco da dívida com maior série de quedas em mais de um ano

Os juros da dívida portuguesa estão de novo a aliviar, ao passo que as taxas alemães negoceiam em alta. Um desempenho que retira pressão ao prémio de risco de Portugal, que cai pela oitava sessão consecutiva.
Risco da dívida com maior série de quedas em mais de um ano
Miguel Baltazar/Negócios
André Tanque Jesus 20 de maio de 2016 às 09:25

Após duas sessões consecutivas em alta, os juros da dívida portuguesa estão de novo a recuar. Uma tendência também registada em Espanha e Itália, mas não na Alemanha. Os juros da maior economia europeia estão a subir, levando o prémio de risco da dívida portuguesa a aliviar. E isso já acontecesse pela oitava sessão consecutiva, a maior série desde Fevereiro de 2015.

As taxas de juro das obrigações portuguesas estão a negociar em queda esta sexta-feira, 20 de Maio. A "yield" dos títulos a dois está a cair 1,4 pontos base para 0,592%, ao passo que a taxa a cinco anos desce 2,1 pontos para 1,828%. Menos significativa é a redução dos juros a dez anos, que estão a cair 0,9 pontos para 3,083%.

Ainda assim, uma tendência positiva que está também a ser registada nos restantes países da periferia. A "yield" a dez anos de Espanha está a recuar 1,2 pontos para 1,58%, ao passo que a taxa de juro de Itália na mesma maturidade desliza 1,5 pontos para 1,48%. Em sentido contrário está a negociar a dívida alemã.

Pela terceira sessão consecutiva em alta, a taxa a dez anos da Alemanha está, desta feita, a subir 0,5 pontos para 0,175%. Uma tendência que alivia a pressão sobre o prémio de risco da dívida portuguesa que cai para 290,8 pontos, o valor mais baixo desde 3 de Maio. Mais relevante é o facto de esta ser a oitava sessão consecutiva de quedas, a maior série de desempenhos positivos desde 27 de Fevereiro do ano passado.

Isto numa semana em que o Tesouro voltou ao mercado. Colocou 1.830 milhões de euros em dívida de curto prazo, sem conseguir alcançar taxas de juro negativas. No entanto, a procura registada pelos títulos esteve em destaque, ao ascender a quase três mil milhões de euros.

Também esta semana foram anunciados os resultados das OTRV, o novo produto de aforro do Estado. A emissão destes títulos foi considerada um sucesso, com o IGCP a garantir uma procura superior a 1,2 mil milhões de euros. A colocação ascendeu a 750 milhões.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI