Obrigações Portugal só vai pagar um terço do previsto ao FMI em 2016

Portugal só vai pagar um terço do previsto ao FMI em 2016

Apenas três meses separam as actuais previsões do IGCP das anteriores. Mas o Governo mudou e os objectivos também. Por isso, o instituto liderado por Cristina Casalinho reduziu os reembolsos ao FMI, passando de 10 mil milhões de euros para apenas 3,3 mil milhões.
Portugal só vai pagar um terço do previsto ao FMI em 2016
Bruno Simão/Negócios
André Tanque Jesus 11 de janeiro de 2016 às 18:00

Ao contrário do que estava programado, o Tesouro só vai reembolsar 3,3 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2016. Este valor representa uma forte redução face ao reembolso antecipado previsto de 10 mil milhões previsto, sendo que o calendário de pagamentos para os próximos anos foi também revisto. Por outro lado, o IGCP pretende recuperar parte dos depósitos gastos em 2015.

O Novo Banco não foi vendido, o Estado injectou liquidez no Banif e o défice de 2,8% agora previsto para este ano é superior ao estimado pelo governo de Passos Coelho (1,8%). Um conjunto de factores que obrigou a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) a rever o financiamento do Estado em 2016, mas também nos próximos anos.

A grande alteração é que o instituto liderado por Cristina Casalinho apenas pretende reembolsar o FMI em apenas 3,3 mil milhões de euros. Um montante significativamente inferior aos 10 mil milhões previstos no final de 2015 e que já resultavam de uma revisão em alta, após o Estado ter adiado para este ano o pagamento de 2,2 mil milhões.

Mas também os valores para os próximos anos foram revistos. Se o objectivo para 2017 era o reembolso de 6,9 mil milhões de euros à instituição liderada por Christine Lagarde, agora o Tesouro prevê pagar apenas 2,5 mil milhões.

Já para 2018 e 2019 não havia a intenção de efectuar qualquer pagamento, sendo que agora o IGCP quer desembolsar 4,0 e 0,5 mil milhões, respectivamente. Mas estes valores não compensam o totalmente os reembolsos antecipados estimados, pelo que terão de prolongar-se, pelo menos, até 2020.

Estas alterações não representam uma reestruturação da dívida, já que em causa está um plano de pagamentos antecipados ao FMI menos ambicioso do que o traçado pelo anterior executivo. É que António Costa não pretende adiar os reembolsos à institutição internacional, mas andiantar menos do que o pretendido por Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque.

(Notícia actualizada às 13:10 de 13 de Janeiro, explicando os contornos da decisão)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI