Outros sites Cofina
Negocios em rede
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

Investir a pensar no futuro

MOBI.E quer aumentar a confiança dos utilizadores para optarem pela mobilidade elétrica.

07 de Abril de 2021 às 08:07

Algo que é fundamental para que haja cada vez mais frotas de veículos eletrificados é possuir uma boa infraestrutura de carregamento. Nesse sentido, a MOBI.E, a entidade gestora da rede de mobilidade elétrica, investirá este ano em Portugal 1,3 milhões de euros numa nova plataforma de gestão da rede, a qual vai disponibilizar mais ferramentas tecnológicas que permitam aos comercializadores de eletricidade para a mobilidade elétrica e aos operadores de postos de carregamento oferecer melhores serviços aos utilizadores.

Em entrevista ao Negócios em Rede, em fevereiro, Luís Barroso, presidente da MOBI.E, contou que o objetivo para os próximos cinco anos é que se duplique anualmente a capacidade de carregamento de rede.

Refira-se que a rede MOBI.E terminou 2020 com 1.417 postos de carregamento (3.076 tomadas), dos quais 257 eram postos de carregamento rápido e um ultrarrápido. No final de janeiro, este número já tinha aumentado para 1.506 postos de carregamento (3.265 tomadas), dos quais 270 são postos de carregamento rápido e três postos de carregamento ultrarrápido. "Ou seja, continuamos num bom ritmo de crescimento", sublinhou, então, Luís Barroso.

Registe-se, igualmente, que a MOBI.E tinha, em fevereiro, postos de carregamento em 252 municípios, incluindo regiões autónomas, portanto, 82% de todos os municípios do país.

 

Chegar a todos os municípios

O presidente da MOBI.E garantiu que este ano se iria concluir o alargamento da rede a todos os municípios do país e voltar os investimentos para a criação de um piloto focado no aumento de potência da infraestrutura.

"A estes acrescem ainda os diversos investimentos que têm vindo a ser anunciados pelo setor privado e por diversas autarquias, o que contribuirá para alargar a oferta e, com isso, a confiança dos utilizadores para optarem pela mobilidade elétrica", referiu.

Mais notícias