Outros sites Cofina
Notícia

Nuno Nunes: "A transformação digital não é um fim em si"

A transformação digital é operacional, é do processo, e a tecnologia é um enabler, mas esta mudança envolve uma transformação cultural que é necessário saber gerir e liderar.

Filipe S. Fernandes 11 de Junho de 2021 às 13:30
Mariline Alves
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
"A Altice tem feito ao longo dos anos investimentos, pelo que estávamos de alguma forma preparados para o contexto que vivemos e que estamos a viver. Em termos de infraestruturas, tanto em fibra ótica como de mobilidade, as nossas equipas já estavam capacitadas para trabalhar desta forma antes da pandemia. Do ponto de vista de conteúdos core já tínhamos muitos em cloud para permitir o seu contacto e a sua acessibilidade em qualquer ponto do país", revelou Nuno Nunes, Chief Sales Officer B2B da Altice Portugal.

Salientou que a pandemia trouxe vários tipos de desafios difíceis e vantagens. Na sua opinião o grande desafio que existe é o desafio cultural "porque ter as pessoas constantemente fora da empresa, em casa, cria distância, e é preciso que os gestores, os líderes das empresas, estejam atentos porque as pessoas têm de ter um sentido de pertença, caso contrário existe uma tendência para, com o tempo, não se sentirem a empresa como sentiam".

A cultura de uma empresa que não se pode perder. "É uma mudança transformacional que é o grande desafio, porque as empresas são feitas por pessoas e se estas estiverem durante meses e meses em casa, quer se queira quer não, a forma de ligação, a forma como sentem a empresa, não é igual. Este desafio cultural é um desafio que nós os gestores temos de ter cuidado para manter as empresas e as pessoas unidas e umas chegadas às outras. Este é um dos principais desafios que temos de enfrentar."

Mais ágeis e competitivas
A face boa está no aproveitamento que se pode fazer da forma como se está a trabalhar, que torna as empresas mais ágeis e mais competitivas, porque têm menos custos operacionais com as pessoas em trabalho remoto. "Na Altice estamos a fazer um balanceamento entre trabalhar na organização conforme as indicações da DGS, e o trabalho em casa. Um bom colaborador na empresa será sempre um bom colaborador em teletrabalho e, nesse contexto, temos de aproveitar a parte boa que é baixar os custos operacionais e tornar as empresas mais competitivas", assinalou Nuno Nunes.

"A transformação digital em si não é um fim. Posso pegar nas minhas máquinas e colocá-las na cloud e penso que fiz a minha transformação digital. Isto é errado, porque a transformação digital é operacional, é do processo, e a tecnologia é um enabler", diz Nuno Nunes. "Tenho de pensar em como é que quero estar no futuro, dentro de 3 ou 5 anos, como é que me quero relacionar com o meu cliente, qual é o meu posicionamento e nesse contexto a cloud é um ponto-chave e central de um ecossistema onde as empresas se podem ligar".

O exemplo da Altice
Recorreu ao exemplo da Altice, que já tinha as ferramentas de mobilidade, os sistemas na cloud, o que lhes permitiu centrar-se no que o mercado pede, posicionar a oferta ao que os clientes pretendem, e, "simultaneamente, despertar a atenção de que, do ponto de vista operacional e de processo, o que faz sentido é que os clientes se centrem no seu negócio e que nós façamos com que sejamos os enablers tecnológicos para que esses clientes possam estar onde querem", referiu Nuno Nunes.

Nessa linha surgem as soluções como a cloud, e que foi um passo decisivo que a Altice deu para fornecer aos seus clientes a oportunidade se quiserem fazer o salto para a cloud sem ter custo de capex (despesas de capital) e passando todo o modus operandi, a transformação digital de operações e processos em que todo o ónus da responsabilidade de investimento passa para o operador.

"Temos de estar no mercado de uma forma holística e global porque só assim as empresas conseguem ter ferramentas para que se foquem no seu negócio, e se queremos estar com os clientes daqui a x tempo, e isso só acontece se tivermos as ferramentas necessárias para que os nossos clientes consigam evoluir nesse sentido", concluiu Nuno Nunes.