A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícia

Setúbal: Indústria ainda tem grande peso no concelho

Apesar do crescimento de negócios mais ligados à natureza envolvente, caso da aquacultura, e do aumento do turismo, a indústria continua a ser o grande empregador e exportador em Setúbal.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Quando se pensa em Setúbal, empresas como a Secil, nos cimentos, ou a Lisnave são símbolos muito ligados ao concelho, nem sempre pelas melhores razões. Nos dias de hoje, o lugar cimeiro em termos de volume de negócios e exportação é ocupado pela produção de pasta e de papel da Navigator, mas a Secil e a Lisnave continuam a figurar no "ranking" dos maiores grupos empresariais de Setúbal.

Menos evidente, a Coca-Cola é outro exemplo, sendo, a par dos fabricantes de produtos agroquímicos da Ascenza Agro (hoje Rovensa), um dos maiores empregadores da região. Depois, embora não se traduzam em lugares de destaque no "ranking" dos gigantes industriais, o tecido empresarial de Setúbal começa, de forma crescente, a ser feito também de muita atividade ligada à água, nomeadamente ao Sado, quer seja através da aquacultura e piscicultura, quer seja pelas visitas guiadas para ver os golfinhos.

Concelho com uma área considerável (250 km2), tem uma população residente de cerca de 116 mil pessoas que se distribuem por freguesias muito distintas entre elas. Algumas têm forte relação com o Sado. Outras, caso de Azeitão, ainda têm uma ruralidade muito presente, a que está associado o negócio agrícola da produção de vinhos, com impacto considerável na região.

Quanto ao envelhecimento da população, os últimos dados oficiais disponíveis, relativos a 2017, revelam uma tendência que acompanha o país, com o número de idosos por cada 100 jovens a atingir os 138,1.

Só os próximos censos darão outros dados sobre a evolução da população mas, de acordo com a autarquia, aumentaram bastante, nomeadamente em Azeitão, o número de eleitores.

Outro fenómeno dos últimos anos tem sido a chegada de comunidades estrangeiras como as provenientes de França (muito envolvidos na reabilitação imobiliária), Itália e Brasil. O crescimento do alojamento local tem estado a ser promovido por portugueses.

Mais notícias