Outros sites Cofina
Notícia

Estratégia de Sintra: Turismo de "charme", apoio ao emprego e à criação de novas empresas

Nos últimos dois anos foram criados seis mil postos de trabalho em Sintra, devido, segundo Basílio Horta, ao aumento do interesse das empresas em investir no concelho. O impacto do turismo e a aposta em tecnologia, com a criação da Start Up Sintra, estão também no topo da agenda da autarquia.

Bruno Simão
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Sintra reforça aposta na tecnologia

O desenvolvimento tecnológico está no topo da agenda do actual mandato de Basílio Horta. No início deste ano assinou um protocolo para criar a Start Up Sintra, a primeira incubadora de empresas do concelho de Sintra, com o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI) e com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

"Neste momento, a Start Up Sintra está a dar formação a mais de mil alunos. E querem mais, nós não temos é espaço para já", adiantou Basílio Horta. Passados cerca de nove meses, a Start Up Sintra acolhe 14 empresas e "já temos uma a funcionar com apoio de capital de risco do Estado [Portugal Ventures], que aliás funciona muito bem. O presidente do capital de risco, o Epifânio da Franca, é um grande presidente. É pena se ele vai embora", confessa o autarca. Epifânio da Franca, entretanto, já saiu da Portugal Ventures.

IMI familiar gera dúvidas

O presidente da Câmara de Sintra manifestou algumas dúvidas em relação ao IMI familiar, uma medida que visa permitir que famílias com filhos possam pagar menos impostos no respectivo município. Basílio Horta explicou que o impacto desta medida estava a ser estudado pela autarquia, mas não sabia "se esse é o melhor caminho. Tenho dúvidas", acrescentou.

Depois da entrevista ao Negócios, no passado dia 18 de Setembro, em comunicado enviado às redacções, Basílio Horta anunciou que iria propor ao executivo municipal uma descida de 2 pontos da taxa do IMI para todos os munícipes de Sintra, ao invés de adoptar o IMI Familiar. Esta medida teria custado aos cofres municipais cerca de 1,08 milhões de euros, mas a proposta agora apresentada irá custar cerca de 2,7 milhões de euros, pode ler-se neste comunicado.

Hotéis de charme no topo das preferências

Sintra é um dos destinos em Portugal que recebe mais turistas. E, prova disso, são as taxas de ocupação de hotéis "altíssimas". Mas não por grandes cadeias hoteleiras: "Temos muitas casas que fazem turismo de habitação e ‘hostels’. Agora grande hotéis, [na vila de Sintra], temos o Tivoli", conta o presidente da Câmara. Um cenário que vai ao encontro dos planos da autarquia, apesar de terem pedidos de grandes cadeias hoteleiras. "Começamos a ter hotéis pequenos e é isso mesmo que queremos, hotéis de charme pequenos".

Taxa de desemprego em queda

Têm sido várias as empresas que têm escolhido Sintra para morada fiscal. A Hikma, Tabaqueira ou Essilor são algumas das maiores empregadoras do concelho. Nos últimos anos, a taxa de desemprego tem encolhido. Aliás, "melhor do que esta só em Janeiro de 2009 ou 2010. E tem vindo sempre a descer", sublinha Basílio Horta.

Em Abril de 2013 Sintra tinha 23.209 desempregados. Em Abril deste ano, contavam-se 17.188, segundo os dados disponibilizados pela Câmara. Uma diminuição de seis mil, que Basílio Horta diz se ter traduzido em postos de trabalho criados. O desemprego desceu 25,9% de Abril de 2013 para Abril deste ano. Porquê? "Pelos investimentos novos que vieram. E por outro lado também pelo acordo que fizemos com o IEFP. Além do investimento novo também temos políticas activas de emprego", conta o presidente da Câmara Municipal de Sintra.

Mais notícias