A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícia

CEO da BA Vidro: "Temos pior imagem do país do que os estrangeiros"

Sandra Santos recorda o período em que "ninguém queria financiar os investidores portugueses", admite que o escândalo do BES foi "muito mau" para a imagem do país e teme que o actual impasse político volte a afectar a credibilidade externa.

António Larguesa alarguesa@negocios.pt 20 de Outubro de 2015 às 00:01
Paulo Duarte
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Como é que a crise afectou as vossas operações no exterior?

Prejudicou imenso. Por exemplo, o financiamento começou a ser um problema, que nunca tinha sido. Ninguém queria financiar investidores portugueses. Foi um problema grave. Nessa altura teria sido impossível concretizar uma operação grande, como a Verallia. Ninguém financiaria investimentos portugueses.

Também pela questão da imagem enquanto país?

Tirando esse momento complicado em que os mercados financeiros se fecharam completamente a Portugal, acho que temos pior imagem do nosso país do que os estrangeiros têm dele. É evidente que os países do Norte acham sempre que os do Sul são pouco trabalhadores e gastam mais do que devem, mas isso vai mudar com o tempo, seguramente. Hoje a maioria dos países já começa a olhar para Portugal [de forma diferente], começamos a ter muitos investidores portugueses nos países nórdicos e de Leste. E começam a perceber que os investidores não têm nacionalidade, que a nacionalidade é irrelevante.

Houve impactos do caso BES?

É evidente que alguns escândalos não ajudam. O caso BES foi muito mau para Portugal. Não tem a ver com questões políticas, mas de imagem. Tudo o que ponha em causa a credibilidade, nomeadamente das instituições, põe em causa a credibilidade dos investidores portugueses no estrangeiro.

Portugal é o país onde a BA Vidro paga mais impostos e diz ter a lei laboral mais rígida.

Teme a instabilidade política nos próximos meses?

É a mesma instabilidade que se vive em Espanha ou na Polónia, onde haverá eleições. É evidente que o desfecho disto pode não ser muito interessante, do ponto de vista outra vez de credibilidade. Vamos ver. Se a Europa passar a imagem de que Portugal pode ter fragilidades, pode complicar a vida de Portugal.

E como aprecia a fiscalidade?

Os impostos em Portugal são altíssimos, não atraem trabalhadores. E também ao nível da sociedade [IRC] é o país em que pagamos mais impostos. Desse ponto de vista é um país que não atrai absolutamente nada.

E na legislação laboral, junta-se ao coro dos que defendem que ainda há muito onde mexer?

Houve algumas evoluções nos últimos anos no que toca à flexibilidade, não muita. Não é a mesma que existe em Espanha ou na Polónia. Ainda é mais rígida. Aqui fala-se muito das 40 horas [semanais], mas a maior parte das indústrias pratica abaixo disso. No Reino Unido são 42h, na Alemanha 44h. Aqui na BA são 36 horas. Em Portugal praticamos tempos de trabalho muito inferiores.

Mais notícias