Indasa: O mundo é redondo mas precisa de lixas para as arestas

Desde a sua origem que a Indasa tem o negócio além-fronteiras como um vector. Hoje em mais de 100 países, "o conhecimento da realidade de cada mercado de destino" é o conselho da empresa para quem procura exportar.
Jornal de Negócios
pub
Wilson Ledo 21 de dezembro de 2017 às 16:48

Indasa Menção Honrosa Melhor Grande Empresa Exportadora Bens Transaccionáveis
Se falarmos de abrasivos flexíveis talvez não imagine logo do que se trata. Traduzimos por lixas e a história da Indasa, empresa de Aveiro nascida em 1979, fica mais palpável. Desde o primeiro dia, o foco esteve voltado para "um estreito segmento de mercado: a indústria de repintura automóvel". Outra das vontades era clara: a aposta nos mercados externos.
"Apesar de na fase inicial ter produzido marcas de outras empresas, a Indasa criou e promoveu a sua própria marca - Rhyno - hoje reconhecida internacionalmente, e que sustenta cerca de 95% da sua produção, sendo actualmente, apesar da sua juventude, o maior produtor da Península Ibérica", diz a empresa.

90
Facturação
Dos 60 milhões de euros em facturação esperados para 2017, 90% são explicados pela exportação feita pela Indasa.

Depois da exportação, deu-se, já no final da década de 1980, o processo de internacionalização. A rede hoje conta com representações em Espanha, França, Inglaterra, Alemanha, Brasil, Polónia e Estados Unidos da América, "em cujas sociedades detém a totalidade do capital ou uma participação largamente maioritária, tendo as vendas consolidadas do grupo em 2016 ultrapassado os 58 milhões de euros", acrescenta. Já para 2017, o indicador deverá atingir os 60 milhões de euros, com 90% oriundos da exportação para mais de uma centena de países.
Neste processo de marcar presença noutros pontos do grupo, porque Portugal é pequeno,a Indasa refere que é essencial "o conhecimento da realidade de cada mercado de destino das suas exportações" e tem vontade de conhecer mais geografias, além de reforçar aquelas em que já está presente.É pela qualidade que a empresa de Aveiro quer bater rivais conhecidos como a 3M.

pub