Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

O empreendedorismo é uma balela

A mudança, como sempre, terá de suceder ao nível das mentalidades. A começar pelo ensino. Em vez de planos de negócios irrelevantes, os nossos jovens deviam ser estimulados a ter ideias originais e ousadas.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...

Não há nada de errado com o empreendedorismo quando este significa o sermos empreendedores, ou seja, realizarmos qualquer coisa por nós mesmos. Mas o conceito, imerso no tão inebriante quanto inconsequente jargão de professores e especialistas, gerou, sobretudo na última década, uma verdadeira cultura da ilusão e do fracasso.

 

Empreendedorismo nasce do novo tipo de indústria de base tecnológica que já não necessita de mão-de-obra intensiva e, pelo contrário, precisa de ideias. Neste contexto a sociedade, que ontem pedia obediência aos chefes e nada de ter ideias, pede agora que as pessoas sejam empreendedoras, inovadoras, criativas.

 

Este movimento que nasceu espontaneamente com a generalização dos computadores e aparecimento da Internet, depressa foi usurpado pelo batalhão de normalizadores que rapidamente consegue transformar uma ideia excitante na maior das sonolências. É vê-los nas conferências, nas universidades, nos governos, a repetirem as mesmas frases, tantas vezes sem perceberem nada do que estão a dizer. Nunca existiram tantos cursos de marketing e nunca o país foi tão pobre.

 

A coisa é aliás bastante acessível. Basta alinhar as palavras inovação, criatividade, marketing, plano de negócios, startups e adiante que a lista é extensa. Dá para tudo. Há quem ensine a ter a postura correta, a roupa que se deve vestir, as frases que não pode deixar de se dizer para convencer o próximo. Tudo balelas. A maioria das pessoas que ensinam a criar uma empresa de sucesso nunca foram capazes de criar a sua.

 

Na verdade a questão é bem mais simples. De nada vale um bom plano de negócios sem uma boa ideia de negócio. Fico aliás estupefacto por ver tanto jovem a fazer estes planos, e mesmo a ganhar prémios pois não há jornal ou grande empresa que não patrocine um destes concursos, mas onde o assunto é absolutamente irrelevante. Muita gente tirou mestrados com planos de negócios para venda de molhos de nabiças ou caixas de fósforos. Interesse prático? Zero.

O resultado está à vista. O número de novas empresas com real sucesso é diminuto e provavelmente sucederia sem tanto jargão. Os mais afortunados acabam no franchising, a vender as ideias dos outros. A vasta maioria no desemprego.

 

Ora, como disse, o problema está precisamente noutro lugar. Antes de tudo é preciso ter uma boa ideia e saber concretizá-la. A seguir encontrar financiamento. E só depois conseguir, com estas duas coisas, montar um negócio. Em Portugal, como noutros locais, anda-se precisamente ao contrário.

 

Percebe-se porquê. Os portugueses não têm uma cultura das ideias. E ainda menos do fazer. Quanto ao financiamento simplesmente não existe. Não há por cá ninguém, nem bancos nem privados, que arrisque. O fracasso não é valorizado como aprendizagem. Não há segunda oportunidade. Assim, ficamos pela banal revenda. Basta olhar para os mais ricos de Portugal. São merceeiros, vendem batatas ou telemóveis. Compram por 10 e vendem por 100.

 

A mudança, como sempre, terá de suceder ao nível das mentalidades. A começar pelo ensino. Em vez de planos de negócios irrelevantes, os nossos jovens deviam ser estimulados a ter ideias originais e ousadas. Nunca o potencial criativo foi tão grande. As novas tecnologias permitem um acesso extensivo ao conhecimento e também há produção. Hoje qualquer pessoa, em casa, pode criar uma fábrica. Estou a pensar, por exemplo, nas impressoras 3D.

 

Do mesmo modo, a normalização dos modelos de negócio não é eficiente. Quando todos fazem a mesma coisa da mesma maneira o resultado só pode ser banal. Pelo contrário, mais do que seguir os powerpoints das escolas de marketing, é preciso inventar novas maneiras de fazer circular as ideias e de as vender.

 

Não tenho ilusões sobre a massificação de uma economia criativa em Portugal. O ambiente nunca foi favorável. Por estes dias, nesta via do empobrecimento, económico e mental, em que estamos ainda é menor. Mas, por outro lado, a inovação foi sempre obra de muito poucos. E, nesse campo, um dos princípios fundamentais é não fazer o que nos dizem que temos de fazer.

 

Artista Plástico

Assina esta coluna semanalmente à sexta-feira, excepcionalmente é publicado hoje

Este artigo de opinião foi escrito em conformidade com o novo Acordo Ortográfico.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias