Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Fernando Sobral fsobral@negocios.pt 18 de Maio de 2017 às 20:35

As autárquicas e o mal menor

As eleições autárquicas, especialmente em Lisboa e Porto, prometem ser o grande acontecimento político da "rentrée". Uma espécie de Festival da Eurovisão à escala local.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Os portugueses querem sentir que os cantores têm paixão e não são meros executantes de karaoke político. No final, PS e PSD vão contar espingardas e dos resultados poderá vir a depender o futuro triste de Pedro Passos Coelho. Mas o certo é que o comum cidadão olha hoje para os candidatos aos municípios de Lisboa e Porto e vê, sobretudo, manobras e proclamações políticas que pouco estão a contribuir para uma discussão inteligente sobre os problemas sérios com que se debatem as duas principais cidades portuguesas. A saber: a pressão turística e a imobiliária a ela ligada que estão a afastar os habitantes locais para as periferias; o tráfego caótico no interior dos centros, sem respostas para o estancar à entrada das cidades e sem planos de transportes públicos eficientes; a degradação da qualidade de vida que tudo isto está a implicar. Esses problemas são mais claros em Lisboa do que no Porto, mas existem nas duas cidades.

 

Face a isso encontramos candidatos a presidente que suscitam tantas simpatias como dúvidas. No caso de Lisboa a dupla Fernando Medina/Manuel Salgado parece preparar-se para ganhar novamente as eleições face a uma inacreditável escolha do PSD para candidata e aos tiros nos pés que Assunção Cristas vai dando, entre estações de metro alucinantes e coligações com Gonçalo da Câmara Pereira. O "status quo" que continuará a afugentar os lisboetas da sua cidade, tornando-a impossível de ser habitada (por razões de custo ou de circulação), parece reforçar-se. Lisboa pagará caro esta estratégia arquitectónica/imobiliária em desfavor da qualidade de vida. No Porto, Rui Moreira julga poder ser o "autarca independente modelo". Mas as suas manobras com os partidos que gravitaram à sua volta, e o elevaram também a líder da autarquia, poderão vir a ter consequências funestas. Para ele e para o "espírito de independência" que era urgente trazer para uma política amorfa em que temos vivido.

 

É assim que entramos no campo do "mal menor". Trata-se de um princípio de reflexão moral para tentar diluir um dilema político. Aristóteles falava disso no seu segundo livro sobre ética. Daí nasceu a expressão: "do mal, o menos". António Gramsci explicava: "Todo o mal maior se faz menor em relação a outro que ainda é maior, e assim até ao infinito." Muitos cidadãos vão por isso votar entre o que consideram "menos mau" dos candidatos. Mas isso, claro, implica que os cidadãos começam a claudicar do pensamento e da argumentação, o que alimenta populismos e simplificações políticas. É esse o problema das opções políticas destes dias. Numa época em que precisávamos de bons debates sobre como reformar as grandes cidades portuguesas talvez tudo se vá perder em floreados dialécticos. 

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias