Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

Jogos sem Fronteiras

Os célebres "Jogos sem Fronteiras", programa televisivo que teve muito sucesso em Portugal, nasceram alguns anos depois do Tratado de Roma. O criativo de serviço não estava habituado a pensar em formatos televisivos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Chamava-se De Gaulle e era um general que, também por acaso, era Presidente de França. A sua ideia é que os divertidos jogos permitissem às juventudes alemãs e francesas reforçar a amizade. No fundo, era o lado fraterno da divisão política da futura Europa unida entre França e a Alemanha. A pouco e pouco, tal como a União Europeia, os "Jogos sem Fronteiras" alargaram-se a outros países até ao seu fim, pouco glorioso, em 1999. Os jogos bizarros acabaram por enfadar o público, farto de ver concorrentes a cair em piscinas. E as tentativas de os ressuscitar depararam com o problema europeu do costume: quem paga o delírio? A igualdade de circunstâncias entre os concorrentes alemães e franceses também se esfumou com o tempo: no fim, os alemães ganham sempre. Os "Jogos sem Fronteiras" dizem-nos muito sobre esta Europa burocrática que se celebra a si própria, com políticos que mais parecem estar a velar alguém em estado vegetativo do que a comemorar o futuro.

 

Não é para admirar: a "nomenklatura" europeia, sediada em Bruxelas e Frankfurt e tutelada por Berlim, procura apenas sobreviver. Para combater a crise financeira e as crescentes assimetrias tirou do bolso a austeridade militante, para resolver o problema da emigração decidiu pagar à Turquia para o fazer. Como se não bastasse, os líderes que decidem o que quer que seja estão ao nível do gongórico Dijsselbloem: são os melhores propagandistas do populismo latente. Porque se enganam os que acham que a extrema-direita holandesa foi derrotada: ela conseguiu a hegemonia cultural ao colocar os temas da emigração, da desigualdade e da identidade no centro do debate político. Os líderes europeus são praticantes deploráveis de uns "Jogos sem Fronteiras" que afectam a vida dos cidadãos. Tem tudo muito piada, mas já ninguém se diverte com isso.

 

Grande repórter

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias