Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Fernando Sobral fsobral@negocios.pt 04 de Junho de 2017 às 19:40

O Sol à volta de Trump

Donald Trump acredita que o Sol gira à volta dos EUA. Ou melhor, que gira em volta da Torre Trump. E como, dentro desta, é possível criar um ambiente artificial, com ar condicionado, isso é igualmente possível em todo o mundo.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Não é, mas como Trump vive na Idade Média do pensamento, quando se acreditava que o Sol girava à volta da Terra, tudo é possível. Afinal os pequenos neurónios de Trump são uma espécie de bolas de "flippers": atiram-se e acertam onde calha. Sabe-se que a retirada dos Acordos de Paris é um logro. Desde logo económico. Porque, neste momento, as indústrias limpas nos EUA já geram o dobro dos empregos das ligadas ao carvão. Portanto a teimosia de Trump tem a ver com outras razões. Uma é acreditar que os EUA vivem sem o mundo. E que este não pode viver sem Washington. Outra é que tudo é um "negócio". Mas, como se sabe, neste planeta nem tudo é um "reality show" nem os acordos para construir uma Torre Trump.

 

Não é preciso usar uma lupa para ver que o clima mudou em poucas décadas. Quando eu era uma criança as estações sucediam-se calmamente. Hoje tudo é uma confusão. Temos destruído o planeta e este está zangado connosco. A retirada de Trump vai, para já ter consequências políticas: a China vai passar a liderar este tema (entre outros), que vai ser central nas sociedades nas próximas décadas: e a União Europeia tem aqui a oportunidade para se afirmar como autónoma do guarda-chuvas americano. No meio, os EUA, com Trump, vão-se reconduzir a uma nação que come produtos geneticamente modificados. Há outra coisa mais grave ainda: a cerimónia de Trump foi digna de um congresso de Kim Jong-un. Havia na plateia aplausos e a seguir à declaração de Trump um ser qualquer veio dizer que ele era o guia redentor. Na Coreia do Norte não se faz melhor. O problema é que esta decisão de Trump é o reflexo de uma concepção ideológica mais vasta, onde o populismo e a pós-democracia se abraçam. Findo o contrato social sobram pessoas e ideias assim. Assustadoras.

 

Grande repórter

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias