Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

O país invisível

Construir argumentos a partir de premissas falsas é um velho princípio da política, especialmente quando alguém não está disposto a reconhecer que se equivocou.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
Sócrates consegue isso de forma militante, e também transformar a verdade numa ilusão. Para ele, a redução da TSU, algo que foi assinado com o FMI, não existe. Ou então está em letras tão pequeninas que não é para cumprir. Sócrates decretou a inexistência de algo que assinou com Paul Thomson e que é parte crucial do acordo. A única dúvida que sobra é saber se Sócrates assinou o documento com o FMI sem ler o que lá vinha? Ao não dizer nada sobre o que pretende fazer com a redução da TSU, Sócrates vem elucidar-nos de que tudo não passou dum equívoco. Não há memorando assinado com o FMI, não há dívida externa, não temos de pagar juros de mais de 33 mil milhões de euros, não temos de aumentar impostos, não vai haver mais desemprego. Sócrates conseguiu o milagre do eclipse: Portugal tornou-se no país invisível.

Chegamos à mais fantástica das conclusões: foi um duplo de Sócrates que assinou o acordo com o FMI. E como é o verdadeiro Sócrates que está em campanha eleitoral, ele não tem nada a ver com a redução da TSU. Na política portuguesa conseguiu-se o milagre da multiplicação. Há dois Sócrates. O que assinou a redução substancial da TSU; e o que desconhece a sua existência. Há o que assinou um acordo com o FMI; e há um que julga que FMI é uma energia renovável. Às vezes há o Dupont, outras o Dupond. Sócrates não existe. Está finalmente provado. Ao não reconhecer o que existe à sua volta, é ele próprio que não é real.
Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias