Francisco Mendes da Silva
Francisco Mendes da Silva 29 de agosto de 2017 às 20:45

Um livro de exercícios sobre o Portugal contemporâneo

Ricardo Araújo Pereira, outra instituição da pátria, fez o trabalho que praticamente mais ninguém fez: foi ver os tais livros. As suas conclusões foram expostas num excerto hilariante do "Governo Sombra", da TVI24.

Alguns activistas feministas, liderados pela jornalista Rita Ferro Rodrigues, denunciaram a existência de um livro de exercícios da Porto Editora para crianças em idade pré-escolar, não obrigatório, vendido em duas versões, para rapazes e raparigas. A denúncia acusava a editora de contribuir para o estereótipo de que as mulheres são menos inteligentes do que os homens, e era ilustrada com um único exemplo - um exercício que era manifestamente mais fácil na versão feminina.

 

O assunto passou para a imprensa como havia sido denunciado. O mesmo exemplo infame, as mesmas conclusões, o mesmo juízo moral. Confiando nos activistas e na imprensa, o público explodiu em choque e pavor, através desse órgão de soberania da pós-modernidade que é "a indignação das redes sociais".

 

Sendo Portugal, ainda, Portugal, o Estado interveio com prontidão e generosidade: o ministro adjunto Eduardo Cabrita mandou a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género apreciar o caso e esta, diligentemente, recomendou que os livros fossem retirados do mercado. E porquê? Porque fez uma análise séria do conteúdo dos ditos, com debate entre os interessados? Não: apenas porque, "tendo em conta a polémica que estava nas redes sociais (…), recomendámos à Porto Editora que pudesse retirá-los para apaziguar de alguma forma os ânimos" (palavras da presidente da CIG, juro).

 

Quase sem pestanejar, a Porto Editora acatou a "recomendação".

 

Entretanto, Ricardo Araújo Pereira, outra instituição da pátria, fez o trabalho que praticamente mais ninguém fez: foi ver os tais livros. As suas conclusões foram expostas num excerto hilariante do "Governo Sombra", da TVI24, e permitem formar uma tese que ainda não teve refutação: a Porto Editora segmentou os livros de exercício por género, por razões comerciais, e entregou-os a ilustradoras diferentes; o resultado são duas versões basicamente semelhantes, em que as situações distintivas, bem mais do que as apresentadas nas notícias, na sua globalidade não discriminam negativamente nenhum género em especial.  

 

Este caso encerra várias histórias exemplares sobre o Portugal contemporâneo. Desde logo, a história do jornalismo-militante, que por vezes é mais militante do que jornalismo, e a da crise da imprensa (como é que em vários jornais e televisões, que se querem instituições sólidas e confiáveis, passou a mesma manipulação da realidade, sem o mínimo crivo hierárquico editorial sobre a relevância do assunto e a veracidade dos factos?). Mas também a história de um poder político que censura livros "polémicos" e a de um capitalismo tendencialmente receoso do Estado. Se Portugal fosse uma economia de mercado mais saudável, a Porto Editora tinha mandado o ministro Cabrita dar uma volta, de mão dada com a sua estratosférica prepotência.

 

No fundo, esta é a história do estado das nossas elites. A democracia depende tanto da cacofonia das massas como da mediação dessa cacofonia. O que vimos foi a demissão total das elites que deviam fazer essa mediação, que claudicaram ao primeiro rugir da turba inorgânica das "redes sociais". Activistas, jornalistas, políticos e empresários - todos são culpados neste caso, por acção ou omissão, de uma manipulação grosseira da opinião pública.

 

Há quem ache que, apesar de tudo - como os fins justificam os meios -, ficámos um bocadinho mais civilizados. A mim parece-me que ficámos um passo mais próximos da barbárie. E desta tragédia, ao contrário do mítico escrúpulo popular, nem as mulheres e crianças se salvam primeiro.

 

Advogado

pub

Marketing Automation certified by E-GOI