Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Francisco Seixas da Costa 27 de Setembro de 2018 às 19:20

Um barómetro

É triste dizê-lo, mas neste referencial do estado do mundo em que a Assembleia Geral da ONU se transforma, poucas são as restantes vozes interessantes.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A semana em que os principais dirigentes políticos mundiais se dirigem à assembleia-geral da ONU é um tempo de discursos. Os presidentes, primeiros-ministros, ministros ou embaixadores que, por essa altura, ali falam tentam meter "o Rossio na Betesga", naquele raramente respeitado quarto de hora de evidência, sumariando prioridades externas, procurando passar mensagens que só por acaso são lidas fora das próprias fronteiras. Em regra, essas intervenções seguem um linguarejar que se torna pouco apelativo e que até chega a disfarçar reais novidades escondidas na "langue de bois". Outras vezes, procuram chamar a atenção através do recurso a fórmulas estilísticas mais criativas, e até chocantes, cuja eficácia funciona na razão direta da importância objetiva do respetivo país no quadro internacional.

 

Tendo já trabalhado na preparação desse tipo de intervenções e tendo sido ouvinte, às vezes sofredor, dessas ondas de discursos, aprendi, como os outros, a fazer a triagem entre o que, por ali, vale a pena ouvir e aquilo que não é mais do que retórica, mais ou menos balofa, para conforto de opiniões públicas internas. A regra é estar atento àquilo que diz quem realmente conta no quadro mundial de poderes e, às vezes, de novos sinais transmitidos por Estados que, conjunturalmente, estão sob holofotes políticos. Quanto ao que sobeja, resta tentar perceber se há mesmo alguma novidade naquilo que esperamos seja a reiteração do óbvio ou no que projeta uma média relevante de consenso - como é o caso da intervenção em nome da União Europeia.

 

Sem surpresas, o que os Estados Unidos dizem é sempre importante, pelo seu poder, "ordenador" e condicionador, à escala global, quer nos contextos bilaterais a cujo detalhe os discursos dos líderes americanos quase nunca fogem, quer pelo modo como por daí se pode detetar o grau de relevo que atribuem às instituições multilaterais, refúgio protetor das pequenas e médias potências. Claro que também importa aquilo que a Rússia e a China digam: a exegese do discurso do primeiro costuma ser mais interessante do que o caráter frequentemente críptico do segundo.

 

A França, hélas!, quer-se sempre uma caixa de surpresas, com um tropismo para a singularidade que se esforça por assumir. A Alemanha, tem anos: algumas vezes, faz transparecer, por antecipação, aquilo que pretende da futura atitude europeia, através da qual objetiva muito da sua política externa, noutros dá sinais sobre inquietações que lhe suscitam os quadros geopolíticos de proximidade, face aos quais, como se sabe, é sempre mais reativa do que proativa. Da Europa, tendo a Itália desaparecido como entidade relevante, resta o Reino Unido, que no passado foi sempre muito previsível, mas que, no atual quadro de solidão estratégica em que caiu, suscita apenas alguma curiosidade.

 

É triste dizê-lo, mas neste referencial do estado do mundo em que a assembleia-geral da ONU se transforma, poucas são as restantes vozes interessantes.

 

Na América Latina, salvo alguma curiosidade sobre a atitude venezuelana e aquilo que possa sobrar além da retórica cubana, com um México ainda entre presidentes, um Brasil sem direção política e uma Argentina em nova crise, nada parece justificar atenção.

 

Da África, infelizmente, também não se espera muito. Para nós, importa anotar a imagem que a "nova" Angola queira fazer transparecer. Mas, para o mundo, já foi mais importante ouvir o que digam países como o Egito ou a África do Sul.

 

Na Ásia, além da China, será curioso observar a linguagem das duas Coreias e os sinais pelos quais o Japão queira transmitir a sua preocupação com os desafios geopolíticos da vizinhança. Será ainda de anotar o que diz a Índia, eventuais sinais do Paquistão, bem como a reação de Myanmar ao seu acossamento.

 

Resta, e não é pouco, o Médio Oriente. Aí, há que estar atento ao Irão, a Israel, à Arábia Saudita e, curiosamente, à Turquia, esse errático poder "adolescente". O resto é irrelevante.

 

É assim, com realismo, o espetáculo onusino anual. Porque revela as pressões do tempo que corre, acaba por servir de bom barómetro.

 

Embaixador

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico 

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias