José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito 27 de junho de 2018 às 21:05

O sonho de Macron

Macron percebeu que com o declínio de Merkel, que fora o sustentáculo do projeto europeu, só um tremor como o Brexit poderia induzir um ímpeto regenerador à UE.

A FRASE...

 

"O grande sonho europeu de Emmanuel Macron está fora de alcance."

 

Bloomberg, 6 de junho de 2018

 

A ANÁLISE...

 

Segundo a mitologia grega, Ícaro sucumbiu por ter sonhado alto demais (literalmente). Reza a lenda que o pai de Ícaro (Dédalo) lhe recomendou, quando entregou as asas que o próprio havia construído a partir de penas e cera, que não voasse muito baixo para que a humidade do mar não tornasse as asas pesadas, nem que voasse muito alto para que o calor do sol não derretesse a cera. Inebriado pelo seu voo, Ícaro ignorou os conselhos de seu pai, aproximou-se do sol, perdeu a sustentação e afogou-se no Mar Egeu. Esta lenda ensina-nos que a ambição, quando reduzida carece de sustentação e quando excessiva carece de sustentabilidade. Esta é uma lição que Macron, o líder europeu mais carismático da atualidade, deveria reter.

 

Macron percebeu que com o declínio de Merkel, que fora o sustentáculo do projeto europeu, só um tremor como o Brexit poderia induzir um ímpeto regenerador à UE. No deserto de liderança em que transformou a Europa, Macron chamou a si o processo de reforma, propondo a criação de uma união orçamental e a finalização da união bancária como forma de viabilizar o euro e, naturalmente aspergir glória sobre França e ele próprio. A formação do bloco central na Alemanha fez parecer a visão de Macron concretizável até que as eleições italianas vieram relembrar, como outras previamente, que os europeus não desejam transferir mais soberania para Bruxelas. O centro porque teme que os seus impostos sejam desbaratados pela periferia. A periferia porque teme que o centro lhe imponha uma disciplina financeira paralisante. São estes receios (com a imigração) que têm alimentado a deriva nacionalista na Europa.

 

Persistir na ambição de aprofundar a integração europeia - o sonho de Macron - equivale a cometer o erro de Ícaro: assim como ignorar Dédalo custou a Ícaro o sonho e a vida, ignorar a mensagem dos diversos eleitorados da Europa não só inviabiliza o sonho de maior integração, como põe em risco o próprio projeto europeu pelo nacionalismo agressivo que convoca.  

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

pub

Marketing Automation certified by E-GOI